Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Comparação entre black blocs e PCC 'não é correta', diz secretário

Para Alexandre de Moraes, publicações na conta oficial da Polícia Militar do Estado de São Paulo no Facebook têm que ser objetivas

O Estado de S. Paulo

14 Janeiro 2015 | 15h19

SÃO PAULO - O secretário estadual da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, afirmou nesta quarta-feira, 14, que "não é correta" a comparação entre black blocs e o Primeiro Comando da Capital (PCC), feita em publicação na conta oficial da Polícia Militar no Facebook, na sexta-feira passada.

"A comparação não é correta, nós determinamos que fosse retirado do Facebook da Polícia Militar", disse o dirigente, após a posse do novo comandante-geral da PM, Ricardo Gambaroni. 

"A Polícia Militar dará total transparência a todos os dados e informações necessárias. Agora, qualquer elemento subjetivo, qualquer opinião pessoal de algum policial militar ou de alguém da assessoria da Polícia Militar deve ser colocado no Facebook próprio da pessoa. No Facebook institucional serão colocados dados e informações objetivas", afirmou Moraes.

Já Gambaroni disse que não houve punição a quem publicou a imagem na conta do Facebook. "Foi uma foto infeliz que foi colocada. Nós nos retratamos. A ideia não era fazer comparação, era provocar uma reflexão. Quem colocou às vezes não teve a maldade de ver que aquilo poderia trazer uma conotação diferente. Mas vocês têm que admitir que nós também podemos errar."

Gambaroni também comparou a manifestação contra o aumento da tarifa, na última sexta-feira, onde houve disparo de bombas de gás lacrimogêneo por parte da repressão da Polícia Militar, com protestos na França, em decorrência do atentado no jornal "Charlie Hebdo". "Tivemos manifestações na França neste fim semana em que as pessoas estavam lá para defender um direito, para protestar contra alguma coisa, e havia manifestação pacífica."

Mais conteúdo sobre:
Polícia Militar Alexandre de Moraes

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.