Secretaria de Comunicação do Governo de São Paulo
Secretaria de Comunicação do Governo de São Paulo

Comitê de Blitze de SP interdita casa noturna clandestina e autua quatro estabelecimentos na capital

Fiscalização feita na noite desta sexta-feira também abordou 102 pontos de aglomeração; objetivo é assegurar o cumprimento da fase emergencial do Plano São Paulo

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2021 | 15h09

SÃO PAULO - O Comitê de Blitze do Estado de São Paulo fechou uma casa noturna que funcionava de forma clandestina na capital na madrugada desta sexta-feira, 26. Ao longo da noite, a ação também abordou outros 102 pontos de aglomeração e autuou quatro estabelecimentos que descumpriam as determinações da fase emergencial do Plano São Paulo. Objetivo é evitar a propagação do coronavírus.

De acordo com o governo estadual, a balada ficava no centro de São Paulo. O estabelecimento foi autuado e interditado pela Vigilância Sanitária. Em Pinheiros, a força-tarefa interditou um salão de beleza, atividade que está proibida de funcionar durante a fase emergencial. Uma empresa de segurança localizada na região do Jabaquara também foi autuada. A fiscalização flagrou pessoas sem máscaras no local.

A Polícia Militar dispersou 221 aglomerações ao longo da noite e da madrugada. Cinco pessoas foram multadas por dirigir sob efeito de álcool. As forças de segurança também apreenderam 10,5 kg de drogas.

O Comitê de Blitze foi criado em 12 de março pelo governo do Estado em parceria com a Prefeitura de São Paulo. O objetivo é reforçar as fiscalizações e o cumprimento das medidas restritivas previstas na fase emergencial. Integram o comitê agentes da Guarda Civil Metropolitana, das Vigilâncias Sanitárias estadual e municipal, do Procon e das Polícias Civil e Militar.

Qualquer pessoa pode denunciar festas clandestinas e funcionamento irregular de serviços não essenciais pelo telefone 0800-771-3541 e também no site www.procon.sp.gov.br ou pelo e-mail secretarias@cvs.saude.sp.gov.br, do Centro de Vigilância Sanitária.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.