Comissão vai investigar barulho de aeroportos

Técnicos do Daesp, que administra 31 terminais no interior de São Paulo, vão analisar os arredores das quatro pistas principais

Nataly Costa e José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

31 Janeiro 2013 | 09h51

O ronco dos aviões faz tremer as vidraças. O aparelho de som e a televisão captam vozes do sistema de comunicação de aeronaves. Esse é o tipo de problema que o frentista Marcos Lúcio de Souza, de 38 anos, tem em sua casa, na zona norte de Sorocaba. Morador da Vila Helena há 16 anos, ele ainda não se acostumou com o barulho do aeroporto local. E esse é o tipo de caso que vai ser alvo de uma comissão do Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp).

Técnicos da autarquia que administra 31 aeroportos do interior paulista vão sair a campo para monitorar os níveis de ruídos no entorno das pistas e apresentar soluções para o controle do barulho.

Os aeroportos de Jundiaí, Sorocaba, Ribeirão Preto e Campo dos Amarais, em Campinas, registraram 480.148 operações de pouso e decolagem de aeronaves de janeiro a novembro de 2012, mais de 50% do movimento de todos os 31 aeroportos administrados pelo Daesp. A Comissão de Gerenciamento de Ruído Aeronáutico foi criada no último dia 14 com representantes dos quatro terminais, que têm em comum, além do grande movimento de aviões, a localização em áreas residenciais. As administrações estão autorizadas a contratar equipes especializadas para medir o barulho. O objetivo é identificar atividades incompatíveis com o nível de ruído previsto no plano de zoneamento dos aeroportos.

Levantamento. A comissão terá de apresentar mapas de cada aeródromo apontando os locais mais sensíveis aos ruídos. O mapeamento vai orientar as ações do Daesp e das prefeituras para reduzir o barulho. Serão enviados relatórios à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que vai acompanhar o processo. As medidas a serem propostas podem ir de uma redução nas manobras que exigem alta potência do motor até a restrição nos horários de pousos e decolagens para determinadas aeronaves.

O aeroporto de Jundiaí, de maior movimento - teve 92.504 pousos e decolagens no período -, recebe aviões, jatinhos e helicópteros de forma ininterrupta, até a noite, o que vem causando reclamações dos vizinhos. Construído a 7 quilômetros do centro, o terminal já foi alcançado pelo crescimento da área urbana. Os bairros residenciais Jardim Ermida e Gramadão, os mais próximos, já são afetados pelo barulho. A prefeitura informou que o município restringe construções de prédios e residências no entorno do aeroporto, conforme o que é determinado pelo Daesp.

As construções mais próximas são indústrias, a um quilômetro da pista.

Segundo a ouvidoria municipal, não há registro de reclamações da população do entorno. Moradores de um condomínio no bairro Eloy Chaves, que está na rota das aeronaves, já reclamaram publicamente do barulho excessivo.

O Campo dos Amarais, em Campinas, também está cercado por indústrias e casas. Medições informais mostraram que o nível de ruído no solo, na passagem de aviões maiores, atinge 80 decibéis, bem acima do recomendado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) - 50 decibéis durante o dia.

Em Ribeirão Preto, a prefeitura, o Daesp e o Ministério Público Estadual já discutem o impacto do projeto de ampliação do terminal aéreo sobre a vizinhança. O aeroporto, que tem o maior movimento de passageiros da rede estadual, com 994.795 embarques de janeiro a novembro de 2012, está cercado por bairros residenciais.

Um grupo de pessoas e entidades lançou o Movimento Pró Aeroportos Seguros, que se opõe à ampliação do atual terminal, por estar em área densamente povoada. O grupo defende a construção de um novo aeroporto fora da área urbana.

Mais conteúdo sobre:
barulhos, daesp, aeroportos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.