Comércio perdeu R$ 15 bilhões com protestos, diz FGV

Levantamento do professor de Varejo da Fundação Getúlio Vargas Daniel Plá aponta que o comércio de todo o Brasil perdeu R$ 15 bilhões desde o início dos protestos no País, em junho. Esse valor corresponde ao que não foi vendido no período. A diminuição na movimentação também reduz a arrecadação de impostos: cerca de R$ 4,5 bilhões em tributos federais, estaduais e municipais deixaram de ser recolhidos, segundo o estudo.

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2013 | 02h07

Os dados dizem respeito às compras por impulso, sob emoção. "É a compra não planejada, que afeta principalmente bares e restaurantes. A compra planejada, de uma geladeira ou de uma televisão, não entra nesse cálculo, porque pode ser feita em outro momento", explica Plá.

As empresas brasileiras também gastaram cerca de R$ 70 milhões em segurança adicional - o que inclui contratação de pessoal e compra de tapumes para proteção. A estimativa é de que 30 mil empresas compraram compensados de madeira.

Plá também destaca que, além dos atos concretos de vandalismo, o temor de manifestações também foi responsável por prejuízos. "As perdas não foram só pelas depredações e passeatas. Houve também alarmes falsos, quando o comércio fechou mais cedo por boato de passeatas. Isso aconteceu em Belém, Fortaleza e Brasília, por exemplo", afirmou o pesquisador.

Mais conteúdo sobre:
Protestoscomércio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.