Laura Maia de Castro/Estadão
Laura Maia de Castro/Estadão

Comerciários protestam contra exclusão da categoria em feriado da Copa

Manifestantes realizaram ato em frente à Prefeitura de São Paulo, na região central, na manhã desta sexta-feira, 30

Laura Maia de Castro, O Estado de S. Paulo

30 Maio 2014 | 12h05

Atualizado às 18h

SÃO PAULO - Aproximadamente 250 integrantes do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, ligado à União Geral dos Trabalhadores (UGT), fizeram uma manifestação em frente à Prefeitura de São Paulo, na região central, na manhã desta sexta feira, 30. O objetivo do protesto, que começou por volta das 10h e durou cerca de uma hora e meia, foi pressionar o prefeito Fernando Haddad (PT) para que ele reverta a decisão que exclui os comerciários do feriado do dia 12 de junho, quando acontece a abertura da Copa do Mundo em São Paulo.

Os comerciários alegam que, com a exclusão da categoria no feriado decretado, eles perderão benefícios como 100% de hora extra, folga adicional e vale refeição. Esses benefícios são garantidos em dias de feriado por causa de uma convenção coletiva do Sindicato dos Comerciários com a área empresarial. "Feriado da Copa: valoriza lucro do setor patronal e exclui direitos dos comerciários", dizia um dos cartazes colados no trio elétrico do protesto.

Segundo o presidente do sindicato, Ricardo Patah, até às 16h desta sexta-feira, a categoria não tinha sido recebida pelo prefeito Fernando Haddad (PT). Patah afirmou que 500 mil comerciários serão afetados pela exclusão da categoria no feriado e que o sindicato entrará com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin).

"Vamos fazer um ato ainda maior na Câmara dos Vereadores e até quarta-feira entraremos com uma Adin no Tribunal de Justiça para impedir que essa lei tenha valor", declarou Patah.

Em nota, a prefeitura disse que a lei foi sancionada "conforme as modificações e aperfeiçoamentos que foram feitos na Câmara de Vereadores, foro onde ocorreu o debate com a sociedade". A prefeitura disse ainda que a lei aprovada é compatível com a de outras sedes da Copa. Leia abaixo a nota na íntegra:

"A lei que declara como feriado em São Paulo o dia de abertura da Copa do Mundo (12/6) foi sancionada conforme as modificações e aperfeiçoamentos que foram feitos na Câmara de Vereadores, foro onde ocorreu o debate com a sociedade. Duas modificações foram feitas pelos vereadores: a retirada da possibilidade de feriado em outros dias de jogo e a exclusão do feriado para algumas atividades. A administração municipal considerou que a lei aprovada guardava compatibilidade com as leis aprovadas em outras sedes da Copa, como o Rio de Janeiro."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.