Comerciantes não comentam ação do tráfico na região

Comerciantes do cruzamento das Ruas Augusta e Peixoto Gomide, no centro de São Paulo, local que abriga a feira livre de drogas revelada pelo Estado na edição de anteontem, preferem o silêncio a comentar a ação dos traficantes da região.

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

18 Fevereiro 2014 | 02h04

"Estava cansada de varrer os pinos de cocaína vazios quando chegava para trabalhar", disse a funcionária de um salão de beleza. "A coisa aqui está feia, e agora a polícia deve aparecer por aqui durante a noite. Sempre existiu essas coisas (tráfico) nesse pedaço. Era uma coisa discreta, mais para a Augusta. Mas, como a polícia só olhava, sem fazer nada, foi ficando escancarada. Acho que é porque a molecada que vem ficar 'doida' são todos playboyzinhos", disse a mulher, única disposta a falar com a reportagem. Ela pediu para não ter o nome divulgado.

Outros comerciantes disseram apenas que, durante o horário comercial, a atuação criminosa não acontece e, por isso, o tráfico não atrapalha. A reportagem permaneceu na rua por uma hora, ontem à tarde, e não viu nenhum carro da polícia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.