Comerciante é morto por assaltante ao defender filho na zona leste de SP

Bandidos procuravam por suposto cofre existente na casa; irritado, bandido apontou arma para filho da vítima, que reagiu e foi baleada

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

03 de agosto de 2011 | 02h28

SÃO PAULO - O coreano Antonio Seyn Chon, de 35 anos, foi morto, com um tiro no peito, por volta das 22 horas de terça-feira, 2, ao tentar defender um dos filhos durante assalto à casa onde a família reside, na Avenida Inajá-Guaçu, na Vila Progresso, região de Itaquera, na zona leste de São Paulo.

 

Dono de duas lojas de roupas - uma no Brás, região central de São Paulo, outra próximo de casa - o comerciante teve a residência invadida por cinco bandidos. Com o rosto coberto por toucas ninja, os bandidos entraram pelo portão da frente. O cadeado estava aberto. A esposa de Antonio foi rendida na cozinha; ele e os dois filhos, de 5 e 13 anos, no quarto.

 

A intenção dos criminosos era ter acesso ao cofre da casa e fugir no Captiva que estava na garagem. Irritado ao ouvir várias vezes da vítima que não havia cofre algum no imóvel, um dos bandidos aponto a arma para um dos filhos de Antonio, que se jogou contra o criminoso tentando desarmá-lo.

 

Baleado no peito, o comerciante foi socorrido por policiais militares, acionados por vizinhos, e morreu no pronto-socorro do Hospital Planalto. A quadrilha fugiu a pé, aparentemente de mãos vazias. Até as 3 horas desta madrugada de quarta-feira, 3, o celular de Antonio não havia sido localizado.

 

O latrocínio - roubo seguido de morte - foi registrado no 22º Distrito Policial, de São Miguel Paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.