Reprodução
Reprodução

Comerciante disse ter ouvido gritos antes de carro de Mércia afundar

Testemunha pescava na represa em que carro de advogada foi achado; suspeito foi visto fugindo

estadão.com.br

14 de junho de 2010 | 19h24

SÃO PAULO - Um comerciante de 50 anos que pescava na represa de Nazaré Paulista, no interior de São Paulo, disse em depoimento à Polícia Civil nesta segunda-feira, 14, que ouviu dois gritos por volta das 19h30 de 23 de maio, dia em que a advogada Mércia Nakashima desapareceu. Segundo a testemunha, que pescava no local, o carro boiou por dois ou três minutos. Uma pessoa teria fugido do veículo. De acordo com o comerciante, mais ninguém foi visto.

 

Para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), o ex-namorado, o advogado e PM aposentado Mizael Bispo de Souza, de 40 anos, é o principal suspeito do crime. O Honda Fit de Mércia foi retirado da represa na quinta-feira. Um dia depois, seu corpo foi localizado.

 

Nesta segunda, o Instituto de Criminalística (IC) cancelou a perícia que seria realizada no veículo. O adiamento foi confirmado pela Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, porém os motivos ainda estão sendo apurados.

 

Os primeiros exames do IML no corpo da advogada apontaram fratura no maxilar, mas o laudo final só deve sair em aproximadamente 30 dias. Mizael viajou na última segunda-feira com a filha, de 5 anos, para o litoral de São Paulo por se sentir ameaçado.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Mércia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.