Começam no Jaguaré as obras do Parque Tecnológico

Previsão é de terminar as obras em dez meses e gastar R$ 15,7 milhões; Alckmin estuda PPP para ampliar a área

NATALY COSTA, O Estado de S.Paulo

17 Janeiro 2013 | 02h02

Começaram ontem as obras do Parque Tecnológico do Jaguaré, prometido há 11 anos pelo governo do Estado. O complexo vai ficar na Avenida Engenheiro Billings, 526, na zona oeste, próximo a institutos como o de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN), da Universidade de São Paulo. O local já foi chamado de futuro "Vale do Silício" da capital.

O projeto do Parque Tecnológico é de 2002, mas foi mudado várias vezes, acarretando o atraso de mais de uma década. Em 2010, uma licitação foi feita, mas a empresa que ganhou "não deu conta" e "pediu vários aditivos que não concordamos", segundo o governador Geraldo Alckmin (PSDB). O contrato, então, foi rescindido.

No fim do ano passado, a empresa de Engenharia Incorplan venceu uma concorrência pública para construir o parque. O valor do contrato é de R$ 15,7 milhões.

Serão 5 mil metros quadrados de área construída, em uma área total de 86 mil metros quadrados - metade do terreno é do governo, a outra metade da USP.

"Este local será uma incubadora para 50 empresas de tamanhos diferentes, todas de base tecnológica", antecipou o governador.

Nanotecnologia, biotecnologia, tecnologia de informação, logística e mobilidade urbana estão entre as especialidades das empresas.

"O prazo é de dez meses, então ainda neste ano estará inaugurado. Mas a gente espera terminar a obra em sete meses", completou Alckmin.

No mesmo terreno funcionava o antigo Museu de Tecnologia de São Paulo, desalojado em 2010. "Era um museu feito há cinco décadas, mas quase não era visitado. Então preservamos o acervo para o Museu Catavento", disse o governador.

PPP. Alckmin disse ainda que estuda, por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP), ampliar o parque tecnológico para 900 mil metros quadrados. Para isso, terá de fazer desapropriações na região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.