Começa a restauração do quartel da Rota

Obra de R$ 3,7 milhões deve recuperar a ala esquerda da construção, que foi atingida por um incêndio em 2005

Marcelo Godoy, Vitor Hugo Brandalise, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2010 | 00h00

Começou a restauração do mais famoso quartel de São Paulo. Seis anos depois do incêndio que destruiu toda a ala esquerda do quartel das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), o prédio na Luz, no centro da cidade deve ficar pronto em 2011, ano em que o quartel completará 120 anos. Ao todo devem ser gastos R$ 3,7 milhões na obra.

Olhando da calçada da Avenida Tiradentes, tudo parece normal no imenso quartel amarelo. Poucas marcas na parede demonstram o verdadeiro estado do prédio. Toda a ala esquerda foi consumida pelo fogo, em um incêndio suspeito que levou cinco horas para ser controlado. Dentro do edifício nada restou.

Somente as paredes antigas serão mantidas. Por dentro, foram lançadas colunas para a nova fundação do prédio. Elas terão papel de escorar as paredes antigas e sustentar o piso do primeiro andar. Originalmente, era feito de pinho de Riga, trazido para cá quando a cidade pertencia ao império Russo - hoje é a capital da Letônia. "Seria muito caro refazer o interior do prédio. Por isso, optamos por uma laje revestida por um assoalho", afirmou o tenente-coronel Paulo Adriano Telhada, comandante da Rota.

O quartel erguido em 1891 foi projetado pelo arquiteto Ramos de Azevedo com base em desenhos de fortalezas europeias do século 19. A filiação do arquiteto à maçonaria se refletiu em seu projeto. Toda uma arquitetura maçônica pode ser observada no prédio, do número de degraus de um andar para o outro (33, correspondentes ao grau mais elevado na hierarquia da maçonaria) até mesmo nas forma de triângulos perfeitos do piso de origem italiana e dos desenhos das telhas importadas de Marselha, no sul da França.

Seus subterrâneos ainda mantêm parte do sistema de túneis que eram usados como rota de fuga. O lugar abriga um pequeno museu com peça históricas do quartel e da unidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.