Combustível: abastecimento deve voltar ao normal hoje

Sindicato garante que consumidor não terá mais problemas; até 90% dos postos já estão reabastecidos

NATALY COSTA, O Estado de S.Paulo

12 Março 2012 | 03h04

SÃO PAULO - Depois de quase uma semana com postos de combustível fechados, sem gasolina ou etanol por causa da greve dos caminhoneiros, o abastecimento volta ao normal em São Paulo hoje. É o que garante o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo(Sincopetro).

José Alberto Paiva Gouveia, presidente do sindicato, evita falar em porcentagens para esta segunda, mas afirma que, ontem, o serviço já estava normalizado em 80% a 90% dos postos da Região Metropolitana. "O consumidor não vai ter problemas para encontrar combustível e abastecer, o carro a partir de hoje", diz. "Pode ser que não ache nesse ou naquele posto, mas encontrará no posto vizinho."

O Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e Lubrificantes (Sindicom) garante que os motoristas de caminhões-tanque fizeram hora extra sábado e ontem para acelerar a distribuição. Gouveia, do Sincopetro, confirma. "Eu me informei e soube que as bases de distribuição trabalharam normalmente durante todo o fim de semana", disse.

Sem estoque de segurança. O problema que ainda permanece é a falta de "estoque de segurança" - o Sincopetro diz que os postos estão trabalhando com uma margem de combustível pequena. "Se um posto recebeu reposição de etanol ou gasolina na sexta e vendeu bastante no fim de semana, ele pode ficar sem um ou outro combustível hoje", diz. "Mas se a entrega de hoje continuar normal, isso não será um grande problema."

Corrida. Há uma semana, a greve dos caminhoneiros pelo fim da restrição a caminhões em 25 vias da capital deixou São Paulo sem combustível. Diversos postos fecharam e os poucos que ainda tinham o que vender chegaram a cobrar R$ 5 pelo litro da gasolina. O Procon autuou 18 deles e colocou outros 22 sob investigação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.