Comandante-geral da PM desde 2009, Camilo fica no cargo

Com a decisão anunciada ontem, fica definida a cúpula das duas polícias de São Paulo; ''bico oficial'' deve ser ampliado

Bruno Paes Manso, O Estado de S.Paulo

11 Janeiro 2011 | 00h00

Com a manutenção do comandante-geral da Polícia Militar, Alvaro Batista Camilo, de 49 anos, no posto que já ocupava desde abril de 2009, foi definida ontem a cúpula das polícias em São Paulo. Na sexta-feira, o delegado Marcos Carneiro Lima, de 53 anos, havia sido confirmado no posto de delegado-geral da Polícia Civil - o superintendente da Polícia Científica, Celso Perioli, também continua no cargo.

A principal marca da gestão de Camilo nos últimos dois anos foi a criação e a implementação das chamadas operações delegadas, parceria entre a PM e a Prefeitura para aumentar o efetivo nas ruas nos períodos de folga dos policiais. Criado em dezembro de 2009, o "bico oficial" passou a funcionar em 20 regiões da cidade, com resultados que chegaram a promover a redução de 70% nos crimes, segundo dados da PM. Depois de vários prefeitos se interessarem pela ideia, o plano agora é estender o projeto para o interior do Estado.

A queda nas taxas de criminalidade no ano passado foi outro fator positivo na gestão de Camilo. O ano anterior havia sido repleto de complicações e ficou marcado pela primeira alta de homicídios em 10 anos. O último trimestre, cujos dados ainda não foram revelados, deve confirmar a tendência de queda, principalmente nos roubos, a maior preocupação na Segurança.

Descontentamento. Na corporação, Camilo também teve de enfrentar descontentamento de parte dos oficiais. A principal crítica que recebeu dizia respeito ao fato de ter aceitado com relativa passividade a decisão da Secretaria de Segurança Pública em passar para a Polícia Militar a escolta de presos no Estado, missão que cabia à Polícia Civil. A decisão acabou tirando cerca de 4 mil homens da corporação das ruas de São Paulo. A justificativa da secretaria era que dessa maneira poderia cobrar a Polícia Civil com maior rigor resultados de investigações que vinham sendo deixadas de lado.

O trabalho que vem sendo feito pela Polícia Militar, no entanto, já convenceu os últimos governadores que passaram pelo posto que a instituição é o principal pilar da Segurança Pública no Estado, com resultados que dificultam qualquer comparação com a Polícia Civil, tamanho o disparate nos números. Para o ano que entra, o comandante-geral pretende incentivar a participação da equipe das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) em operações de combate ao tráfico de crack em São Paulo.

QUEM É

ALVARO CAMILO

COMANDANTE DA POLÍCIA MILITAR

Nascido em Ferraz de Vasconcelos em 30 de abril de 1961, trabalhou no Corpo de Bombeiros, no policiamento e na área de tecnologia e inteligência da Polícia Militar. Tem MBA em tecnologia da informação. Na sua gestão, criou o Comando de Policiamento de Trânsito (CPTran).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.