Comandante da PM na zona norte de SP é assassinado a tiros

Coronel José Hermínio Rodrigues foi baleado na região do Mandaqui quando passeava de bicicleta

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

16 de janeiro de 2008 | 12h46

O comandante do policiamento da zona norte de São Paulo, coronel José Hermínio Rodrigues, de 48 anos, foi assassinado a tiros no final da manhã desta quarta-feira, 16. Ele foi atacado por um motoqueiro na avenida Engenheiro Caetano Álvares, região do Mandaqui, na zona norte da cidade, quando andava de bicicleta. O policial chegou a ser levado ao Hospital Militar, no Barro Branco, mas não resistiu aos ferimentos. O assassino usou as duas mãos para empunhar a arma e fazer mira. Segundo testemunhas, o homem vestia coturno de cano curto e tinha pele morena.   O coronel assumira o Comando de Policiamento de Área Metropolitano-3 (CPA-M3), responsável pela zona norte, em 2007. Na época, seu maior desafio era combater o narcotráfico na região e as constantes chacinas, algumas das quais tinha como suspeitos policiais do 18º Batalhão.   Como todos os dias, o coronel saiu  de manhã de casa para andar de bicicleta. Parou em uma padaria no trajeto e depois prosseguiu. Por volta de 10h30, o assassino, em uma moto Honda Falcon preta, ultrapassou-o e parou 20 metros adiante. Ficou esperando Hermínio. Quando o oficial se aproximou, sacou a pistola e fez mira. O primeiro tiro foi dado com o cano quase encostado na cabeça do coronel, pois chamuscou a pele. Quando Hermínio caiu no chão, o atirador fez pelo menos mais quatro disparos, subiu na moto e sumiu.   Divorciado, o coronel tinha um filho de 8 anos. Ele formou-se aspirante oficial na Academia do Barro Branco em 1980. Concluiu em 2001 o Curso Superior de Polícia, exigido para policiais que pretendem se tornar coronéis. Rodrigues também foi responsável pela Operação Carnaval 2007. O enterro está marcado para as 10 horas desta quinta-feira, no Cemitério Gethsemani.

Tudo o que sabemos sobre:
PMassassinato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.