Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Com roubo em alta, Segurança terá mais R$ 2,6 bilhões

O valor, que já tem descontada a inflação de 7,6% em relação à previsão de despesas na área para esse ano, é uma das maiores elevações no orçamento

Bruno Ribeiro; Fábio Leite, O Estado de S. Paulo

01 de outubro de 2014 | 03h00

Em meio a uma tendência de crescimento de roubos no Estado, que registrou em agosto a 15.ª alta consecutiva, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) aumentou em R$ 2,6 bilhões a previsão de gastos da Secretaria da Segurança Pública (SSP) para o ano que vem. O valor representa um aumento real, descontada a inflação, de 7,6% em relação à previsão de despesas na área para este ano, uma das maiores elevações na peça orçamentária entregue ontem pelo tucano na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Ao todo, serão R$ 20,4 bilhões para o primeiro ano do próximo governo, dos quais R$ 549 milhões para investimentos em obras, reformas, compras de viaturas, de armamentos e de equipamentos de segurança pessoal. A SSP, por exemplo, é a responsável pela implementação do sistema Detecta, principal promessa de Alckmin para combater a criminalidade, que prevê monitoramento das ruas da capital com softwares para identificar atitudes suspeitas por meio de uma rede integrada de câmeras de vigilância.

A previsão de gastos da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) para 2015 também cresceu, mas em proporção menor. O orçamento previsto para a pasta é R$ 500 milhões superior, chegando a R$ 4,4 bilhões, um aumento real de 7,3%. Segundo o orçamento, R$ 585 milhões serão destinados para a ampliação e modernização do sistema prisional, como a instalação de bloqueadores de celulares nas unidades onde estão presos os líderes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

Em agosto, segundo os dados divulgados na semana passada pela SSP, o número de roubos cresceu 11,7% no Estado, em relação ao mesmo mês de 2013. O Estado registrou ainda aumento de latrocínios (roubos seguidos de morte) e queda de roubos de veículos e homicídios. Já na capital, pelo segundo mês consecutivo, o índice de homicídios voltou a crescer. Em agosto deste ano, foram registradas na capital 84 ocorrências - alta de 6,3% em comparação com o mesmo período do ano passado, quando foram notificados 79 casos. De acordo com a estatística da SSP, os casos de latrocínio na cidade de São Paulo subiram de 11 ocorrências, em agosto de 2013, para 13, no mês retrasado. 

Tudo o que sabemos sobre:
SegurançaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.