Divulgação
Divulgação

Com reservas de água a 2%, município de Itu amplia racionamento

Índice de chuvas em agosto foi de 29,5 mm e este mês, até agora, é de 25,7 mm, menos que a metade do esperado para o período

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

18 Setembro 2014 | 15h56

SOROCABA - Desde a manhã desta quinta-feira, 18, os 163.882 moradores de Itu, na região de Sorocaba, têm ainda menos água nas torneiras. Com menos de 2% de água nos principais reservatórios que abastecem a cidade, a concessionária Águas de Itu anunciou uma ampliação no racionamento. A região do Pirapitingui, que não estava no rodízio, passou a receber água em dias alternados, das 18 às 6 horas. Já na região central e no restante da cidade, a água passa a ser fornecida nesse mesmo horário, mas uma vez a cada três dias.

De acordo com a empresa, a medida é necessária porque o consumo continua elevado e a estiagem continua forte desde janeiro, sem previsão de chuvas nos próximos dias. Em Itu, o índice de chuvas em agosto foi de 29,5 mm e este mês, até agora, 25,7 mm, menos que a metade do esperado para o período. "Além da falta de chuvas, a temperatura mais alta faz com que o consumo seja maior", disse Maurício Camilo, coordenador de produção da empresa. 


Duas das principais represas, a do Fubaleiro e de São Miguel, que abastecem o centro e o Pirapitingui, respectivamente, estão praticamente secas. "Para se ter uma ideia, em dias normais eram produzidos 62 milhões de litros, hoje estamos produzindo 20 milhões", disse Camilo. A concessionária está injetando três milhões de litros de água comprada em outras cidades e constrói uma adutora para captar 280 litros de água por segundo nos ribeirões Mombaça e Pau D'Alho, mas a obra só fica pronta em janeiro de 2015. Em algumas regiões, a falta de água nas torneiras chega a uma semana.

Granjas vazias. Em Pereiras, que também enfrenta racionamento desde que o Ribeirão das Conchas secou e a captação teve de ser interrompida, em março deste ano, a seca prolongada afeta agora a avicultura, principal atividade econômica do município. Dezenas de granjas suspenderam o alojamento de pintinhos por falta de água para abastecer as aves. O avicultor Valdir Gayer, que produzia 15 mil frangos por mês e tinha consumo mensal de 360 m3 de água, mantém os aviários vazios desde abril, quando o único lago da propriedade secou.

Mais conteúdo sobre:
Itucrise da águaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.