Filipe Araújo/AE
Filipe Araújo/AE

Com reflexo em 18 estações, falha na Linha Vermelha afeta 250 mil

Pane entre estações Pedro II e Sé nesta manhã durou ao menos 2 horas; trens foram depredados

21 de setembro de 2010 | 13h12

SÃO PAULO - Pelo menos 250 mil usuários foram afetados pela falha registrada na Linha 3 - Vermelha do Metrô na manhã desta terça-feira, 21. Todas as 18 estações da linha foram afetadas durante o problema, que teve início às 7h50. Segundo o Metrô, às 10h20 cerca de 80% da circulação estava normalizada.

 

Veja também:

linkGovernador Goldman promete investigação policial

linkFalta de informação deixa milhares sem saber o o que fazer

linkUsuários relatam que passaram horas presos em trens

linkEm manhã de caos, zona leste concentra lentidão

mais imagens Galeria de fotos da manhã caótica

 

De acordo com o Metrô, a paralisação foi causada por uma blusa que impediu o fechamento da porta de um trem. Por conta da interrupção na circulação, no trecho entre as estações Pedro II e Sé um usuário acionou o botão de emergência de um dos trens, o que causou a abertura das portas. Com isso, os passageiros começaram a seguir a pé pela passarela de emergência da via até outras estações.

 

Para garantir a segurança dos usuários, o Metrô desligou a energia dos trilhos no trecho Sé e Belém. Por isso, houve paralisação também no outro sentido da via. A Linha 1 - Azul também foi afetada - pela manhã, os trens circularam em velocidade reduzida.

 

Diversos usuários filmaram reflexos da pane e publicaram vídeos no 'YouTube'

 

Segundo o Metrô, o fechamento de estações e restrições no embarque foi necessário para evitar o acúmulo de passageiros nas plataformas. Por volta do meio dia, o embarque ainda seguia difícil nas principais estações da Linha Vermelha. Na Tatuapé, por exemplo, apenas três catracas estavam funcionando.

 

Diariamente, cerca de 54 mil usuários circulam em cada sentido da Linha Vermelha por hora no horário de pico. É a linha mais movimentada do Metrô.

 

Confusão. Pelo menos 11 trens foram depredados. A falta de informação causou revolta. "Estou aqui há quarenta minutos e até agora não sei o que fazer, o que aconteceu?", perguntava a representante comercial Daniela dos Santos, de 46 anos, para um funcionário do Metrô, na Estação Tatuapé.

 

A estudante Janaina Gama relata que a composição em que ela estava ficou cerca de 30 minutos entre as estações Brás e Bresser. "Os usuários foram orientados a deixar os vagões devido a um problema nas portas, porém, logo depois a orientação era para que voltassem a entrar nos trens", afirma.

 

(COM REPORTAGEM DE EDUARDO ROBERTO, GABRIEL PINHEIRO, PRISCILA TRINDADE, RENATO MACHADO E SOLANGE SPIGLIATTI) 

 

Texto atualizao às 21h35.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.