Com previsão maior, avião chega antes

Em pontos porcentuais, quantidade de voos que alcançaram o destino antes do previsto passou de 0,1%, em 2000, para 2,7% em 2012

O Estado de S.Paulo

15 Dezembro 2013 | 02h02

O aumento do tempo previsto de voo em 94 das 100 rotas mais movimentadas do Brasil, além de diminuir a taxa de atraso, produziu um fenômeno inédito: voos que chegam no destino antes do horário previsto.

Em 2000, essa possibilidade era praticamente inexistente: apenas 855 voos nacionais entre os principais aeroportos brasileiros chegaram adiantados. Em 2012, foram 22,7 mil. Em pontos porcentuais, a quantidade de voos adiantados passou de 0,1%, em 2000, para 2,7% no ano passado.

"Eu costumo ir a Belo Horizonte visitar minha família. Colocam no cartão de embarque que vai demorar 1h15 (entre Congonhas e Confins), mas a duração do voo não passa de 55 minutos", afirma a decoradora Paloma Salun, de 30 anos. "Acho que a ideia é que, se houver atraso, ele não fique aparente."

De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a infraestrutura aeroportuária inadequada pode tornar os voos mais demorados e dificultar o planejamento dos horários de partidas e chegadas dos voos, ocasionando antecipações ou atrasos. A própria agência identificou aumento nos casos de fechamento das portas da aeronave com antecedência em relação à partida prevista, quando todos os passageiros já estão embarcados. De janeiro a novembro de 2000, 0,74% dos voos domésticos foram antecipados em mais de dez minutos. No mesmo período de 2013, esse número salta para 5,58%. O tempo médio de antecipação desses voos foi de 19 minutos.

Otimização. Fontes do setor também afirmam que a política perseguida pelas empresas de otimização dos recursos pode encurtar a rota em horários menos movimentados. "Os pilotos estão muito focados em economia de combustível, então, o que eles puderem fazer para encurtar a navegação, principalmente na decolagem e na aproximação para pouso, eles fazem. Você consegue tirar às vezes 4 minutos na navegação", diz um piloto de uma das principais companhias aéreas, que preferiu não ser identificado.

Essas medidas, no entanto, não afetam suficientemente o tempo de voo para que ele diminua ao longo do ano, como revelam os registros compilados pelo Estadão Dados. Dessa maneira, apesar da diminuição no atraso da saída das aeronaves, o resultado dessa "contabilidade criativa" ainda é negativo para os passageiros. Isso acontece porque o tempo total gasto pelos passageiros aumentou em relação a 2000 em 75 das 100 rotas mais movimentadas do País, apesar desse número ter diminuído em relação ao caos aéreo de 2007. / M.R. e R.B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.