SERGIO CASTRO/ESTADAO
SERGIO CASTRO/ESTADAO

Com obras paradas, verba para trens e metrô tem redução de 14%

Recursos para a manutenção dos atuais ramais, porém, crescerão 27% no ano que vem, para R$ 210 milhões

Bruno Ribeiro e Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

04 Outubro 2016 | 03h00

A Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos, órgão do governo do Estado responsável pelo Metrô e pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), recebeu a menor previsão de orçamento desde o início da atual gestão do governo Geraldo Alckmin (PSDB), em 2011. Em valores atualizados, a verba para investimentos da secretaria em 2017 é 14% menor do que o Orçamento aprovado para o ano corrente. 

Com uma obra paralisada por prazo indefinido (a Linha 6-Laranja) e três com atrasos de mais de um ano (4-Amarela, 15-Prata e 17-Ouro), o Metrô, que é uma empresa de economia mista e tem orçamento próprio, também tem redução expressiva de previsão de investimentos. Os dados que constam na proposta orçamentária enviada pelo governo Alckmin à Assembleia Legislativa mostram queda de 13% na previsão de gastos, de R$ 3,89 bilhões, em 2016, para R$ 2,9 bilhões no ano que vem. 

A queda resulta da freada nas obras da Linha 6-Laranja, prevista para ligar a Brasilândia, na zona norte, à Estação São Joaquim, da Linha 1-Azul. A previsão de gastos com o ramal caiu de R$ 1,2 bilhão, no Orçamento atual, para R$ 259 milhões para 2017. A redução de gastos é causada pela conclusão da etapa que mais consumiria dinheiro público para esta obra: as desapropriações de imóveis que darão lugar à linha. O ramal, no entanto, está paralisado desde o mês passado, porque o consórcio que executa o projeto por meio de uma parceria público-privada (PPP) não conseguiu financiamento para dar andamento aos trabalhos.

Também caiu 25% a previsão do governo para aquisição de novos trens para a rede metroferroviária. O recurso – inteiramente financiado por entidades como o Banco Mundial e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (Bird) – foi de R$ 1,37 bilhão (em valores corrigidos) para R$ 1,018 bilhão para o ano que vem. 

Prioridades. Por outro lado, o governo reservou mais verba de investimentos no ano que vem para a modernização das linhas já em operação. As Linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha devem ter R$ 210 milhões para execução de obras e outras melhorias, o que significa acréscimo de 27% ante o orçamento em vigência, ainda em valores atualizados. No mesmo passo, a peça traz aumento das verbas para investimento em melhorias das linhas já existentes da CPTM, de R$ 402 milhões, em 2016, para R$ 629 milhões no ano que vem. A Linha 11-Coral, que vai até Mogi das Cruzes, é a que terá maior receita – R$ 108 milhões para 2017.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.