Prefeitura de Catanduva/Divulgação
Prefeitura de Catanduva/Divulgação

Com menor isolamento de SP, Catanduva adota barreiras no trânsito

Medida pretende reduzir circulação de veículos e reforçar distanciamento social durante pandemia do novo coronavírus

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2020 | 14h00

SOROCABA - A prefeitura de Catanduva, no interior de São Paulo, vai adotar barreiras no trânsito a partir desta terça-feira, 5, para reduzir a circulação de veículos e reforçar o isolamento social durante a pandemia do novo coronavírus. A cidade de 121.852 habitantes, na região norte do Estado, é a que mais desrespeita as regras de quarentena devido à covid-19, segundo levantamento do governo estadual.

Domingo, Catanduva registrou índice de isolamento de 51%, enquanto a média do  Estado de São Paulo foi de 59%. A média local nos últimos 7 dias foi de 42,8%. Com isso, Catanduva ultrapassou Limeira, a segunda pior colocada nesse ranking, que registrou média de 43%. O índice ideal, segundo as autoridades da saúde, é de 70%.

O sistema de monitoramento inteligente do governo de São Paulo mede os deslocamentos dos moradores de 104 cidades paulistas com mais de 70 mil habitantes, com base na movimentação dos celulares disponibilizada pelas principais operadoras. Com isso, é possível apontar em quais regiões a adesão à quarentena é menor, possibilitando que as prefeituras sejam alertadas para adotar medidas reforçando o isolamento. O sistema é atualizado diariamente.

Conforme boletim da prefeitura, Catanduva registra 18 casos suspeitos, 27 confirmados e três óbitos pela covid-19. A cidade tinha, na tarde desta segunda-feira, dia 4, 11 pessoas internadas com a doença, ocupando 20% dos leitos reservados para vítimas da pandemia. As mortes atingiram dois homens, com 80 e 85 anos respectivamente, e uma mulher de 87 anos.

A prefeitura informou que as regras de isolamento serão endurecidas. As barreiras de contenção de tráfego da Secretaria de Trânsito, com apoio da Guarda Civil Municipal e Polícia Militar, serão realizadas nos principais corredores viários da cidade. “Será uma nova ação educativa, para orientação e distribuição de informes aos motoristas”, informou a prefeitura.

Nesta segunda ainda, o uso de máscaras passou a ser obrigatório em ônibus, vans, táxis e transporte por aplicativos. A obrigação é extensiva às áreas comuns dos terminais urbanos e rodoviário. O protetor facial deverá ser usado também nos cemitérios por visitantes e funcionários.

As máscaras já eram obrigatórias para acesso em supermercados, bancos e lotéricas. Ao mesmo tempo em que endureceu as regras de isolamento, a prefeitura retomou de forma online o ano letivo nas escolas municipais, mas os pais ou responsáveis de alunos que não têm internet terão de retirar o material didático nas escolas. A volta às atividades atingiu 10 mil alunos da rede municipal.

O município informou ter multado estabelecimentos que insistiram em descumprir as regras de restrição ao comércio. Foram abordados 162 pontos, mas o número de estabelecimentos multados não foi informado. Setores do comércio, indústria e serviços já pressionaram para o afrouxamento das restrições às suas atividades. Representantes das igrejas e templos pediram a reabertura, com ocupação de 30% dos lugares, mas ainda não foram atendidos.

O movimento Ergue Catanduva usou as redes sociais para pedir mais fiscalização no comércio. “Cada um está fazendo o que quer. A maioria das pessoas não respeita o isolamento e medidas de proteção. Os catanduvenses estão se aglomerando, não respeitam distância mínima de segurança”, disse em postagem. Nesta segunda, a cidade registrava aglomerações em frente às agências bancárias do centro, como se fosse um dia normal.

Limeira tem segundo pior índice de isolamento de São Paulo

A cidade de Limeira, com 306.114 habitantes e o segundo pior isolamento social do Estado, registra 81 casos suspeitos, 53 confirmados e um óbito pela covid-19. Nesta segunda-feira, oito pacientes estavam internados, dois em tratamento intensivo.

Conforme a prefeitura, a cidade tem menos casos do novo coronavírus que outras cidades do mesmo porte. “Em razão do tempo de isolamento, as pessoas já começam a ficar impacientes e ansiosas, o que está acarretando a maior circulação. Contudo, a ordem de não haver aglomerações está sendo cumprida. Em havendo avanço da infecção, a administração municipal tomará medida mais enérgicas”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.