Com maior chuva do ano no Cantareira, nível de reservatório cai

Mesmo com precipitação que correspondeu a 9,5% do esperado para o mês, sistema de abastecimento caiu 0,1 ponto porcentual

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

24 Janeiro 2015 | 10h12

SÃO PAULO - A poucos dias de terminar o primeiro mês do ano, a maior chuva de 2015 no Cantareira, reservatório responsável pelo abastecimento de 6,5 milhões de pessoas na Grande São Paulo, não foi suficiente para fazer subir o nível. O manancial perdeu 0,1 ponto porcentual de sua capacidade, passando de 5,3% para 5,2%. 

Segundo a Companhia de Abastecimento Básico do Estado de São Paulo, entre sexta-feira, 23, e este sábado, 24, choveu 25,9 milímetros sobre as represas que formam o reservatório, o que representa 9,5% da média esperada para o mês. Considerando todo o mês de janeiro, houve 90,8 milímetros de precipitação no reservatório: 33,4% do aguardado para os primeiros 31 dias do ano. 

A queda registrada neste sábado foi a 13ª perda de nível, consecutiva, na manancial. Na contramão do reservatório em crise, todo os outros sistemas de abastecimento da Região Metropolitana de São Paulo tiveram aumento. O Alto Tietê, que está usando o volume morto, subiu pela quarta vez seguida. Neste sábado, o reservatório registra 10,4% do nível total. Na última quarta-feira, 21, o Alto Tietê estava em 10% da capacidade. No manancial choveu 24% da média histórica esperada para o mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.