TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Com forte chuva, nível do  Sistema Cantareira sobe após 44 dias

Em 24 horas, precipitação superou mais da metade do esperado para todo o mês; os outros cinco mananciais apresentaram alta

Camila Santos, Especial para o Estado

09 de setembro de 2015 | 10h04

SÃO PAULO - Após 44 dias sem registrar aumento de volume, o Sistema Cantareira voltou a subir nesta quarta-feira, 9, beneficiado pela forte chuva desta terça-feira, 8. De acordo com dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), o manancial teve alta de 0,4 ponto porcentual e opera com 15,4% da capacidade. No dia anterior, o volume do conjunto de represas que compõem o sistema estava em 15%.

Esse cálculo, tradicionalmente divulgado pela Sabesp, leva em conta dois volumes mortos acrescentados no ano passado.

 

A última elevação de nível do manancial - responsável por abastecer 5,2 milhões de pessoas na capital e na Grande São Paulo - tinha acontecido no dia 27 de julho, quando passou de 18,8% para 18,9%.

Segundo o índice negativo do sistema, que considera o volume armazenado menos a reserva técnica pelo volume útil, o Cantareira teve alta e passou de -14,3% para -13,9%. Já no terceiro conceito subiu 0,3 ponto porcentual  e está em 11,9%. Esse indicador avalia a divisão do volume armazenado pelo volume total de água somado às duas cotas de volume morto.

Até o momento, o manancial acumulou 65,5 milímetros de precipitação, mais da metade do volume esperado para setembro, em que a média histórica é de 86,6 milímetros. Somente no último dia, o Cantareira recebeu 45,8 milímetros de chuvas.

 

Outros mananciais. Nas últimas 24 horas, as chuvas atingiram todos os principais sistemas da Grande São Paulo, ocasionando elevação do índice pluviométrico.

O Guarapiranga, que atualmente atende o maior número de habitantes em São Paulo (5,8 milhões), teve aumento de 3,5 ponto porcentual e foi de 67,2% para 70,7%. Na segunda semana de setembro, o manancial já ultrapassou a média pluviométrica para o mês, de 78,3 milímetros, e apresenta 88,4 milímetros de chuvas acumuladas.

Já o Sistema Alto Tietê aumentou 0,7 ponto e opera com 13,8%, enquanto o Rio Grande passou de 80,2% para 83,9%. Alto Cotia e Rio Claro também subiram e estão em 56,3% e 58,5%, respectivamente.

Mais conteúdo sobre:
São PauloCrise da Água

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.