Felipe Resk/Estadão
Felipe Resk/Estadão

Com fogo controlado, Cantareira tem focos isolados de incêndio

Combate ao fogo no parque estadual da Região Metropolitana de São Paulo é feito por grupamentos do Corpo de Bombeiros

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

14 de outubro de 2014 | 08h21

Atualizado às 13h40

MAIRIPORÃ - O incêndio de grandes proporções que atingiu o Parque Estadual da Cantareira foi controlado na manhã desta terça-feira, 14, afirmou o Corpo de Bombeiros. Na área, porém, há focos isolados que são combatidos pelos bombeiros. A informação foi confirmada pelo porta-voz da corporação, o capitão Marcos Palumbo.

Divididos em três equipes, 40 bombeiros e 15 guardas do parque trabalham no local, com apoio de 14 viaturas e três helicópteros Águia da Polícia Militar de capacidade de 575 litros cada.

As causas do incêndio ainda são desconhecidas. "A gente não sabe como o incêndio começou no meio da floresta. Pode ter sido um balão ou um fundo de garrafa em que a luz solar incidiu. Precisa ter uma investigação", afirmou o capitão Palumbo.

O incêndio começou por volta das 10h desta segunda-feira, 13. No local, equipe do Corpo de Bombeiros reportou ao comando que a área era de difícil acesso e distante de duas a três horas de caminhada da entrada do parque, que se estende pelos municípios de São Paulo, Caieiras, Mairiporã e Guarulhos.

Assim, os helicópteros foram deslocados para o foco das chamas, em Guarulhos. À noite, no entanto, os trabalhos foram interrompidos por problemas de visibilidade.

"O Corpo de Bombeiros verifica o incêndio desde ontem, agora o fogo está em uma área distribuída. O incêndio começou em uma área central do parque, onde para se ter acesso é preciso fazer a caminhada por duas horas", explicou o capitão Palumbo. "Por isso, o trabalho de combate foi feito por helicópteros Águia da Polícia Militar, que são equipados com um cesto com capacidade para armazenar 575 litros de água, despejadas sobre os focos."

Segundo ele, "não dá para ter ideia da área atingida". "O fogo começou na base de uma montanha e, nesses casos, a tendência é sempre que ele suba. A nossa ação é para impedir que ele chegue ao ponto mais alto."

A montanha fica na região central do Parque Estadual da Cantareira, e os bombeiros iniciaram por volta de 12h30 uma trilha de cerca de quatro quilômetros, que deve ser concluída em hora e meia. O acesso se dá pelo bairro de Hortolândia, em Mairiporã, nas imediações da Rodovia Fernão Dias. Segundo Palumbo, outro foco de incêndio foi localizado a cerca de oito quilômetros.

Fazem parte dessa ação bombeiros do 1º e do 2º Grupamento e da Força Tarefa de São Paulo e do 5º Grupamento de Guarulhos. Esses profissionais estão levando uma bomba costal, com capacidade de 20 litros, mas o ataque aos focos será feito por abafadores.

Ao longo desta segunda-feira, houve mais de cem focos de incêndio em São Paulo. Um dos motivos da propagação das chamas seria a baixa umidade relativa do ar na capital - que chegou a 20% e fez o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) decretar estado de alerta. O Corpo de Bombeiros informou que há um foco de incêndio a cada oito minutos e meio no Estado.

"Desde a última sexta-feira, os Bombeiros combateram 1.003 incêndios em vegetação. 2.108 pessoas foram treinadas para combater incêndios em regiões que não têm uma base dos bombeiros", disse o porta-voz dos bombeiros.

Em 2014, segundo o capitão Palumbo, o número de ocorrência de incêndio aumentou 134% em relação ao ano passado e chegou a 60 mil, sendo 45 mil em área de vegetação e 15 mil em indústrias e residências.

"A condição climática é essencial e a baixa umidade do ar facilita a propagação do fogo. Com a vegetação seca, basta uma bituca de cigarro para causar estrago."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.