ALEX SILVA/ESTADAO
ALEX SILVA/ESTADAO

Com filas, Planetário do Ibirapuera é reaberto

O prefeito Fernando Haddad (PT) participou da cerimônia de reinauguração, elogiou o equipamento e prometeu reabrir o Planetário do Parque do Carmo, na zona leste da capital

Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2016 | 02h01

SÃO PAULO - Reaberto ontem após três anos em reforma, o Planetário do Ibirapuera, na zona sul, atraiu público bem maior do que os 320 lugares disponíveis por sessão e muitas pessoas não conseguiram entrar. O prefeito Fernando Haddad (PT) participou da cerimônia de reinauguração, elogiou o equipamento e prometeu reabrir o Planetário do Parque do Carmo, na zona leste da capital.

O Planetário do Ibirapuera vai funcionar de terça a domingo, além de feriados, com sessões às 10h, 12h, 15h e 17h, cada uma com 40 minutos de duração. Ontem, porém, houve apenas duas exibições à tarde e muitas pessoas que aguardavam na fila terminaram sem ver estrelas, astros e cometas em alta definição.

Os ingressos são distribuídos com meia hora de antecedência e as entradas preferenciais que sobrarem são repassadas cinco minutos antes de a sessão começar.

Na reinauguração, os bilhetes acabaram na vez do cozinheiro Alex Silva, de 34 anos, acompanhado da mulher e do filho de 4 anos. Eles aguardaram uma hora e meia na fila. "Como trabalho em restaurante, só tenho folga um domingo por mês. Agora, minha família vai ter de vir sem mim", disse.

O funcionário público Romildo Gomes, de 28 anos, saiu do município de Caieiras, na Grande São Paulo, mas também não pôde assistir a nenhuma sessão com a família. "Vim mais pelo meu filho, que quer ser cientista", afirmou Gomes, pai de um menino de 6 anos.

A administradora financeira Pâmela Silva, de 28 anos, sugeriu mudança na organização da fila para evitar problemas. "Quando eles virem que não vai caber todo mundo, o acesso tem de ser bloqueado - ou então as pessoas ficam esperando para nada", disse. Em curtos intervalos de tempo, funcionários do Planetário alertavam que havia um público grande e que os ingressos estavam sujeitos à lotação. A reportagem procurou a Prefeitura às 20h40, mas não localizou ninguém para comentar.

Patrimônio. Na manhã de ontem, o prefeito Fernando Haddad afirmou que a reforma resolveu problemas estruturais e respeitou as características originais do Planetário, tombado pelo patrimônio histórico. "Vamos poder atender agora 250 mil crianças por ano aqui e outras 250 mil no Planetário do Carmo, que vamos reinaugurar neste semestre", estimou. "Valeu a pena esperar."

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.