Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Com escuridão atípica, dia vira noite em São Paulo nesta segunda

Segundo meteorologista, cenário foi provocado por nuvem muito baixa e profunda; internautas tentam 'provar' que é de tarde

Felipe Cordeiro e Giovana Girardi, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2019 | 16h58
Atualizado 19 de agosto de 2019 | 18h19

SÃO PAULO - Três da noite? O relógio ainda marcava 15 horas nesta segunda-feira, 19, em São Paulo quando o céu escureceu, o que causou a impressão de que a tarde tivesse virado noite na cidade. 

De acordo com Helena Turon Balbino, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), trata-se de uma nuvem muito baixa e profunda, por isso ela é tão escura, que se formou a partir de ventos bastante úmidos vindos de sudeste e sul.

"É mais ou menos como quando estamos em um avião, descendo e entramos no meio de uma nuvem", diz. 

Nas redes sociais, especulou-se que a escuridão poderia ser resultado das queimadas da Amazônia ou da Bolívia – que chegou a provocar uma nuvem de fumaça de 30 km –, mas tanto a especialista quanto o pesquisador Alberto Setzer, do Programa de Queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), disseram ser pouco provável essa hipótese.

Segundo Setzer, um pouco dessa fumaça de fato chega a São Paulo, mas não a ponto de ser a principal explicação para a escuridão desta segunda-feira. Imagens de satélite compiladas pelo pesquisador na semana passada mostraram um corredor de fumaça da Amazônia descendo para o centro-sul do País.

De acordo com os dados do Inpe, o número de focos de incêndio neste ano no País – dados contabilizados do dia 1 de janeiro até este domingo – já é 82% maior do que o mesmo período do ano passado. Foram registrados 71.497 focos no País neste ano, contra 39.194 em 2018. É o número mais alto dos últimos sete anos, batendo 2016, que até então tinha sido o líder, com 66.622 de 1º de janeiro a 18 de agosto.

No Twitter, internautas de São Paulo brincaram com a mudança repentina do céu. Um dos assuntos mais comentados da rede social era a expressão "São 16h", em que os usuários publicavam fotos para tentar "provar" que o dia virou noite.

Além do céu encoberto e da escuridão atípica para o horário, a capital paulista enfrenta frio e chuva fraca. Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da Prefeitura, o tempo fechado e chuvoso vai continuar nas próximas horas.

"Por conta do tempo fechado, úmido e da entrada do ar de origem polar, a temperatura apresentou gradual declínio desde as primeiras horas da madrugada quando foi observada a máxima de 17,4°C", informou o órgão, em nota.

As estações meteorológicas automáticas do CGE registraram 16ºC em Perus, na zona norte, e 13ºC no extremo da zona sul. A umidade relativa do ar nessas regiões é, respectivamente, de 85% e 100%.

O CGE afirma que os ventos causam maior sensação de frio. Já as áreas de instabilidade que se deslocam do interior do Estado para a capital provocam chuvas de intensidade moderada. 

Durante a noite, há potencial para chuvas fortes, trovoadas e rajadas de vento.  

São 16h; veja reações dos internautas de São Paulo no Twitter

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.