'Com copiloto sem experiência, comandante fica só'

As companhias estão contratando gente com cada vez menos experiência. No caso dos copilotos, alguns são recém-formados, sem a vivência prática necessária para ocupar uma cabine. Na aviação, existe algo que a gente chama de "power distance" - quanto maior o distanciamento de poder entre piloto e copiloto, mais prejudicial à segurança do voo. Isso significa que o comandante fica sozinho na hora de tomar decisões importantes, como "devo ou não arremeter?"

Análise: Carlos Camacho, O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2010 | 00h00

Quando se está voando, é fundamental ter alguém com opinião crítica para dirimir dúvidas e equacionar questões. Afinal, apesar de determinadas medidas tomadas na cabine serem padronizadas, a aviação é feita de pessoas e de interação.

Por isso, o distanciamento entre elas tem de ser mínimo, para que exista a percepção conjunta de duas pessoas igualmente preparadas. Infelizmente, muitas empresas não levam isso em consideração.

É DIRETOR DE SEGURANÇA DE VOO DO SINDICATO NACIONAL DOS AERONAUTAS (SNA)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.