Com chuva, nível do Cantareira e de outros mananciais sobem

Com chuva, nível do Cantareira e de outros mananciais sobem

Choveu 1,9 mm no sistema, o que elevou a pluviometria em novembro para 74,4 mm; média histórica é de 160,4 mm para o mês

O Estado de S. Paulo

10 Novembro 2015 | 09h40

SÃO PAULO - Após chuva, o Sistema Cantareira registrou aumento de volume nesta terça-feira, 10. O manancial opera com 17,2% de sua capacidade, 0,1 ponto porcentual a mais do que na segunda-feira, 9, conforme mostra o balanço diário da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Todos os outros mananciais também registraram elevação no volume de água.

No período, choveu 1,9 milímetro no Cantareira, elevando a pluviometria acumulada no mês para 74,4 mm. A média histórica é de 160,4 mm para novembro.

Responsável por abastecer 5,2 milhões de pessoas, o manancial registrou queda pela última vez no dia 26 de outubro. Na ocasião, o nível do sistema desceu 0,1 ponto, de 15,7% para 15,6%. 

O índice negativo, que passou a ser divulgado após decisão judicial, também subiu 0,1 ponto e está em  -12,1%. O terceiro índice está em 13,3%.

Outros mananciais. O Guarapiranga, atual responsável por abastecer o maior número de clientes da Sabesp (5,8 milhões), registrou o nono aumento consecutivo. O manancial está com 85,8% do volume de água represada, ante 85,3% no dia anterior.

Atravessando crise severa, o Alto Tietê também subiu pelo nono dia. O sistema está com 15,3% - 0,1 ponto mais do que no dia anterior, quando o índice era de 15,2%. Esse cálculo leva em conta um volume morto, acrescentado no ano passado.

Rio Grande foi o que mais teve aumento no volume - 1 ponto porcentual - e opera com 92,4% de sua capacidade. Alto Cotia (702,%) e Rio Claro (58,5%) também registraram ganho de volume de água. 

Mais conteúdo sobre:
sistema cantareira crise da água

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.