Com churrasqueira na varanda, fogão é quase aposentado

Sacada do tipo gourmet vira cozinha e sala de estar para paulistano que busca conforto e liberdade 'fora de casa'

O Estado de S.Paulo

25 Março 2012 | 03h02

Há três meses, a gerente de vendas Joana Pacheco Marques, de 37 anos, mora em um apartamento na Vila Leopoldina, zona oeste da capital, com o marido e o filho de 8 anos. Segundo ela, o diferencial da sacada gourmet foi o maior atrativo na hora de a família escolher o imóvel.

"Passamos a maior parte do tempo na sacada. Até troquei o fogão pela churrasqueira. É um espaço superconfortável, que permite o convívio com a família e os amigos. Quem chega já vai direto para lá. É muito prático", diz Joana.

Em apartamentos maiores, com até 120 metros quadrados, a varanda já representa, em média, até 30% da área construída. Consequentemente, o espaço interno diminui. "Os quartos e a sala acabam ficando menores, assim como a cozinha, mas a troca vale a pena", diz.

Esse modelo de planta é sucesso garantido de vendas. Ao lado do prédio da família Marques, outras seis torres estão em construção, com as mesmas características e praticamente todas as unidades vendidas.

A busca por esse ambiente arejado não é privilégio paulistano. Em cidades vizinhas da capital, como São Caetano do Sul e Santo André, no ABC Paulista, o mesmo modelo se destaca em meio às antigas construções, e com preços que se assemelham aos praticados em São Paulo. No litoral, o fenômeno se repete, com a vantagem de a sacada ter, além de churrasqueira, vista para o mar. Há construções do tipo no Guarujá e em Santos.

Churrasco. A moda chegou a outras capitais. Em Porto Alegre, porém, apartamento com sacada gourmet é opção só para construções de alto padrão, cujo valor ultrapassa R$ 800 mil. "Em apartamentos de mais de 100 m² já se permite pensar em algum tipo de varanda gourmet, mas em metragens inferiores ficaria meio apelativo", diz Luciano Faraco, diretor de atendimento da Imobiliária Lopes.

O coordenador de vendas da Guarida Imóveis, Diego Monteiro, afirma que é exigência do gaúcho ter churrasqueira no apartamento, mas ressalva que o equipamento não precisa necessariamente ficar na sacada, como ocorre em São Paulo.

No Rio, as sacadas são comuns, mas os janelões ainda se destacam nas fachadas nos prédios, especialmente os localizados na orla. Pelo menos por enquanto./ A.F. e ELDER OGLIARI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.