Com carro blindado, vítima de roubo persegue e prende ladrão

Criminoso atirou contra o Land Rover até ficar sem munição durante tentativa de assalto na zona sul de São Paulo

PEDRO DA ROCHA, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2012 | 03h02

Um assaltante foi perseguido pela própria vítima na região do distrito de Socorro, zona sul da capital paulista, na noite de anteontem. Depois de atirar contra o Land Rover blindado de um físico de 34 anos, o criminoso foi perseguido, imobilizado e preso. A vítima chegou a jogar o próprio carro contra o veículo do bandido, para evitar que ele fugisse.

Ao parar o carro com o irmão na porta de casa, na Rua José Cardoso Coutinho, o físico de 34 anos avistou dois homens se aproximando, um deles armado com uma pistola .40. Foi quando os dois anunciaram o assalto e o físico travou as portas do veículo blindado.

O criminoso, identificado como Fábio Nunes Moraes, de 21 anos, atirou, contra o automóvel. Quando perceberam que o Land Rover era blindado, cada assaltante fugiu para um lado. "Não sei o que me deu na hora. Passei a perseguir o homem armado. Ele corria, parava atrás de um poste, mirava e atirava no veículo", contou a vítima. "Até que ele jogou a pistola fora porque ficou sem munição", lembrou o físico.

Durante a perseguição, o alarme do automóvel blindado permaneceu ligado. Na Rua Leonardo de Fassio estava estacionado o Fiat Palio dos bandidos. O fugitivo tentou entrar no carro, mas o físico jogou o Land Rover contra o Palio e o arrastou por cerca de 15 metros.

O assaltante correu novamente, mas foi encurralado pelo carro da vítima na Avenida Francisco de Carvalho.

"Pelo alto-falante do carro falei: 'Levanta a mão, ajoelha'", relatou o físico. O bandido obedeceu, a vítima desceu do veículo e o imobilizou.

O soldado Rômulo Ferreira, da 2.ª Companhia do 27.º Batalhão da Polícia Militar, contou que ao chegar já encontrou o suspeito dominado pela vítima.

Insegurança. Apesar de ter conseguido deter o ladrão, o físico lamentou o caso. "Eu e minha mulher pensávamos em ir morar no interior ou fora do País por causa da violência e de nossa filha. Agora acontece isso." Ele disse ainda que já sofreu um sequestro relâmpago, com uma namorada, quando tinha 17 anos.

Moraes foi preso pelo assalto. Quando era adolescente, teve uma passagem por roubo na Fundação Casa. O outro assaltante fugiu. O caso foi registrado no 11.º DP (Santo Amaro).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.