Felipe Rau/ Estadão
Felipe Rau/ Estadão

Com aumento de pernilongos, Prefeitura de SP faz ação no Rio Pinheiros

Número de reclamações dobrou em julho, em relação ao mesmo período do ano passado; mosquito culex se prolifera até em água suja

O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2018 | 11h20

SÃO PAULO - Dobrou o número de reclamações de moradores sobre a presença de pernilongos na cidade de São Paulo. Segundo a Prefeitura, foram 440 em julho, enquanto o número foi de cerca de 200 no mesmo período do ano passado. 

Para tentar reverter a situação, a gestão municipal realiza ações de combate ao mosquito da espécie culex nesta quinta-feira, 2. Pela manhã, o prefeito Bruno Covas (PSDB) participou da aplicação de larvicidas no Rio Pinheiros, na zona sul da cidade.

"A gente teve uma ampliação muito grande na quantidade de reclamações de mosquitos aqui na cidade. Estamos fazendo agora, no inverno, uma operação que se faz normalmente no verão. Tem mantido esta aplicação de larvicida", diz.

Segundo Covas, o local foi escolhido por estar em uma das regiões com mais reclamações sobre a presença de pernilongos. "É o ponto que tem mais água parada e, portanto, mais possibilidades de proliferação de mosquito", declarou. 

De acordo com o prefeito, ações semelhantes são realizadas em locais mapeados a partir de reclamações de moradores, como em córregos da zona leste da cidade. "A gente espera com essa ação reduzir a quantidade de mosquitos e, portanto, reduzir a quantidade de reclamações aqui na cidade."

Proliferação do mosquito Culex

Para combater o mosquito, a Prefeitura de São Paulo faz ações de controle larvário e do mosquito adulto quinzenalmente em locais de possível proliferação. O produto aplicado não afeta a saúde do ser humano, segundo Carlos Alberto Madeira Marques, biólogo da Coordenadoria de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal Saúde de São Paulo.

"Ocorre principalmente pela estiagem, está muito calor em tempo de frio, isso concentra a quantidade de matéria orgânica", explica. Segundo ele, o culex se prolifera em água "altamente poluída", com "grande concentraçao de matéria orgânica".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.