Com aumento de 6,3%, bilhete do metrô passa a custar R$ 2,55

Reajuste na tarifa de ônibus intermunicipais, que chega a 9,18%, também passa a valer a partir desta segunda

Renato Machado, O Estado de S. Paulo

09 Fevereiro 2009 | 07h46

A partir desta segunda, 9, o bilhete unitário para o metrô de São Paulo e para os trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) passa de R$ 2,40 para R$ 2,55, aumento de 6,3%. O governo do Estado afirma que o aumento está abaixo da inflação medida pelo IPC da Fipe - índice usado para corrigir as tarifas públicas.Também passam a vigorar reajustes nas tarifas de ônibus intermunicipais das regiões de São Paulo (7,45%), Campinas (9,18%) e da Baixada Santista (8,6%). Igualmente há aumento nas linhas do Corredor Metropolitano ABD (São Mateus-Jabaquara): as tarifas passam de R$ 2,30 para R$ 2,55.O bilhete para o uso integrado entre ônibus e os trens do Metrô e da CPTM aumenta de R$ 3,65 para R$ 3,75. Mas há novas modalidades de tarifas. O Cartão Fidelidade dá direito a 8 ou 50 viagens, com desconto. A primeira opção vai custar R$ 19,60 ou R$ 2,45 por viagem. O cartão de 50 vai custar R$ 112,50 ou R$ 2,25 por viagem. Desde março de 2007, já existe o modelo com 20 viagens, que agora custa R$ 47. Também haverá reajuste para o cartão lazer, chamado BLA - usado nos fins de semana -, que passa a custar R$ 21,50. Os bilhetes integrados metrô-ônibus simples e ida e volta estão extintos a partir desta segunda. Os passageiros que já os adquiriram têm até 8 de maio para utilizá-los. Além disso, terá início no dia 9 de março a Tarifa do Madrugador, com valor diferenciado para quem usar o metrô entre 4h40 e 6h e os trens da CPTM entre 4h e 5h20. Nesses horários, os usuários terão desconto de R$ 0,20 utilizando o bilhete único - a passagem custará R$ 2,35. Na integração com ônibus, a tarifa será de R$ 3,60 - após o reajuste, o valor normal será de R$ 3,75.Não haverá o benefício para quem utilizar Vale Transporte ou os Cartões Fidelidade.

Mais conteúdo sobre:
Metrôaumentotransporte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.