Epitácio Pessoa/ Estadão
Epitácio Pessoa/ Estadão

Com atraso de 6 anos, 3 estações da Linha 15-Prata do monotrilho são entregues nesta 2ª feira

Estações Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus tiveram obras anunciadas em 2009 e deveriam ser entregues em 2013; obras ficaram paradas por oito meses até conclusão de nova licitação

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2019 | 13h46

SÃO PAULO - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), inaugurou nesta segunda-feira, 16, as estações Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus da Linha 15-Prata do monotrilho, na zona leste da capital. A previsão inicial era de que elas seriam entregues em 2013.

Segundo Doria, na fase de teste da linha, mais de 30 mil pessoas serão beneficiadas diariamente com a abertura das três estações. Foram investidos na linha R$ 5,4 bilhões.

O funcionamento será parcial, das 10h às 15h, com cobrança de tarifa, até o primeiro trimestre do ano que vem, quando passarão a funcionar em período integral: das 4h40 à 0h. Com o funcionamento integral, a expectativa é que possa atender até 330 mil pessoas por dia.

As outras estações em funcionamento são: Vila Prudente, Oratório, São Lucas, Camilo Haddad, Vila Tolstói, Vila União e Jardim Planalto.

O novo trecho acrescentará 3,9 km à rede metroviária, que chega ao total de 101,1 km de extensão e 89 estações em seis diferentes linhas.

A Linha 15-Prata faz integração com a Linha 2-Verde na estação Vila Prudente.

Falta apenas uma estação para terminar a linha, a Jardim Colonial. As obras foram retomadas, e a previsão de entrega é 2021. Com as 11 estações concluídas, a Linha 15-Prata deve atender cerca de 400 mil passageiros por dia. Na sequência estão previstas obras de prolongamento para Ipiranga e Cidade Tiradentes.

"A determinação é que se continuem as obras da Linha 15-Prata. Para que possamos iniciar em 2020 a extensão entre Vila Prudente e Ipiranga, integrando com a Linha 10-Turquesa da CPTM, para facilitar quem se desloca dessa extensão da zona leste. E ainda integrar com a Linha 2-Verde em Vila Prudente, chegando ao centro da cidade", afirmou o secretário de Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo, Alexandre Baldy.

Doria disse que espera até dezembro de 2022 levar a Linha 15-Prata até a Cidade Tiradentes. "Não havendo percalços de ordem de justiça, promotoria, de engenharia, este é o nosso objetivo", afirmou.

Paralisação

As obras do monotrilho ficaram paradas por oito meses, sendo retomadas em abril, após o grupo CCR assumir a concessão da linha 15-Prata.

O consórcio Viamobilidade, formado pela CCR e pelo grupo Ruas, na proporção de 80% e 20%, foi o único interessado na concessão da linha. A proposta foi de R$ 160 milhões, 0,59% acima da outorga. Com isso, o grupo CCR ficou à frente de três linhas em operação - a 4-Amarela, a 5-Lilás e o monotrilho. É a mesma quantidade que a estatal Metrô, responsável pelas Linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha. A CCR também vai assumir a Linha 17-Ouro, ainda em obras.

Em abril deste ano, após refazer a licitação para retomar as obras, Doria prometeu concluir até dezembro a construção de quatro estações da Linha 15-prata. Jardim Planalto foi entregue em agosto deste ano e Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus nesta segunda-feira.

A linha foi prometida em 2009 e deveria ficar pronta até 2013, mas acumulou atrasos e revisões. Inicialmente o projeto previa que o monotrilho teria mais oito estações, que foram suprimidas. Agora só falta a Jardim Colonial. Se esse prazo de 2021 for cumprido, o projeto será finalizado com 8 anos de atraso.

Outras estações

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) inaugurou em 2018 as estações São Lucas, Camilo Haddad, Vila Tolstoi e Vila União da linha 15-Prata do monotrilho. A abertura ocorreu sete anos após a previsão inicial, para 2011.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.