Com adesão de novo sindicato, detentos ficam sem banho de sol e visitas

Proibições racham a categoria sindical porque grupo que já estava em greve desde a segunda pede aos agentes que liberem as visitas por receio de rebeliões nos presídios

Chico Siqueira/Especial para o Estado ,

13 Março 2014 | 12h05

ARAÇATUBA - O Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional (Sinfuspesp), que declarou greve a zero hora desta quinta-feira, 13, diz que 84 unidades prisionais no Estado de São Paulo estão paralisadas e nelas o banho de sol dos presos foi suspenso, assim como serão suspensas as visitas no fim de semana.

O movimento se juntou à greve do Sindicatos dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado de São Paulo (Sindasp), declarada na segunda-feira e que atingiu, segundo o Sindasp, 142 presídios nesta manhã.

Os dois sindicatos têm juntos cerca de 16 mil filiados - 9,3 mil no Sinfuspesp e 7 mil no Sindasp. O anúncio do Sinfuspesp racha a categoria porque o Sindasp pede aos agentes que liberem as visitas por receio de rebeliões. O Sinfuspesp mantém a proibição das visitas e proíbe também o banho de sol, o que eleva o clima de tensão dentro dos presídios superlotados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.