Com 500 homens, PM faz operação na Favela de Paraisópolis

Às 7h30 desta manhã, mais de duas horas depois do início da varredura, a PM não tinha informações sobre presos ou detidos

Gheisa Lessa,

29 Outubro 2012 | 08h05

SÃO PAULO - Pelo menos 500 policiais militares voltam a executar, desde a madrugada desta segunda-feira, 29, a Operação Saturação - de combate ao crime - na Favela de Paraisópolis, na zona sul de São Paulo. Às 7h30 desta manhã, mais de duas horas depois do início da varredura, a PM não tinha informações sobre presos ou detidos.

A Secretaria de Segurança Pública não descarta relação entre a operação e a recente série de assassinatos que acontecem em toda a região metropolitana. Cerca de 40 pessoas foram mortas a tiros nas madrugadas dos últimos cinco dias.

De acordo com o órgão, a ação deve aumentar a sensação de segurança dos moradores da região. A secretaria diz ainda que a operação deve continuar nos próximos dias e não especifica data de retirada das tropas.

O grupo de militares busca pontos de tráfico de drogas, além da identificação e prisão dos principais autores de furtos e roubos em Paraisópolis. De acordo com a PM, os agentes também devem apreender armas e entorpecentes.

A região de Paraisópolis tem cerca de 80 mil habitantes e a favela é a maior de São Paulo.

Balanço. Há pouco menos de um mês, uma primeira fase da Operação Saturação prendeu em flagrante 61 suspeitos. Com a ação, a Polícia Militar reagiu à onda de violência no Estado depois de uma série de mortes registradas na região metropolitana de São Paulo e na Baixada Santista. A PM colocou, naquele dia, um efetivo extra de 5 mil homens nas ruas.

Mais conteúdo sobre:
violênciaparaisópolis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.