Colombiano é preso no Eldorado

Integrante de uma quadrilha especializada em roubo de joias, ele tentava sair do shopping com gargantilhas e correntes furtadas

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

01 Março 2012 | 03h03

O pintor Willian Alberto Melo Montenegro, de 26 anos, foi preso anteontem quando tentava deixar o Shopping Eldorado, em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, com seis mostruários repletos de gargantilhas e correntes. Colombiano, ele é integrante de uma quadrilha internacional e já havia participado de outra ação na última sexta-feira.

A tentativa de furto de anteontem aconteceu na Marcel Joalheiros, no primeiro piso do shopping. Segundo a polícia, pelo menos outros três colombianos participaram da ação. Uma mulher integrante do bando distraiu a atenção dos funcionários da loja, manifestando interesse em comprar peças de ouro. Ela tinha a cobertura de outros dois homens, que também se passavam por clientes.

"Eles atuam sem arma, sem nada. É só por meio da distração e do constrangimento, até pelo volume de pessoas que entram na loja de uma só vez", explicou o delegado Júlio César Teixeira, titular da 2.ª Delegacia de Crimes contra o Patrimônio (Furto e Roubo de Joias) do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic). "É uma forma de quebrar o sistema de segurança. Mesmo que o funcionário veja, ele fica com medo de reagir."

A estratégia serviu para permitir que Montenegro entrasse com tranquilidade na joalheria. Ele foi para uma área restrita e conseguiu levar os mostruários sem levantar suspeitas.

Quando os funcionários deram conta do furto, acionaram os seguranças do shopping, que encontraram o bando no estacionamento e chamaram policiais do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra) que passavam pela região. Os policiais conseguiram deter o pintor com os mostruários. Os outros três integrantes da quadrilha fugiram. Até a noite de ontem, ninguém havia sido preso.

O suspeito foi levado para a sede do Deic, na zona norte de São Paulo, e indiciado por furto. Outra colombiana, também integrante do grupo, já foi identificada pela polícia.

Histórico. O delegado afirmou que Montenegro participou de uma outra ação na última sexta-feira, também em uma joalheria, no Shopping Center Norte.

O pintor já tinha ficha criminal. No ano passado, Montenegro foi preso depois de furtar uma ponta de estoque em um shopping de Itupeva, no interior paulista. Segundo Teixeira, há indícios de que a quadrilha atue também em outros países. "Eles não agem somente no Brasil, mas também na Argentina e na Venezuela." E as joias não são o único foco do bando. "As vítimas não são apenas proprietários de joalherias, mas também donos de lojas de roupas, bebidas e aparelhos eletrônicos."

O delegado identificou um flat na Rua Santo Amaro, no centro, como a base do bando. "Eles atuam de camisa de manga comprida, para esconder marcas que possam identificá-los."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.