Cobrança indevida

No dia 18/3 pedi a mudança de endereço da linha telefônica e do Speedy na central da Telefônica, protocolado e auditado, e fui informada quanto à cobrança da taxa de R$ 94,47 e um prazo de 3 a 10 dias úteis. Esperei o prazo vencer (1.º/4) e fiquei sem telefone e internet no novo apartamento por quase 20 dias. Ao ligar no dia 3/4 para saber quando iriam instalar o serviço, fui informada de que o pedido tinha sido cancelado automaticamente e que, se quisesse a mudança, eles não cobrariam a taxa, mas que eu precisava esperar outros 3 a 10 dias úteis. Quando questionei sobre a cobrança do período em que não houve serviço, fui informada de que isso não seria cobrado. Fiquei de retornar para confirmar e acabei ligando para outra operadora, que ofereceu instalação no próximo dia útil da TV a cabo, internet e telefone, com um prazo de alguns dias para a linha de telefone funcionar. Contratei essa operadora com portabilidade do número do telefone. No dia 5/4 já tinha internet e TV a cabo e no dia 10/4 a linha de telefone já estava funcionando. Fiquei surpresa ao receber, em meados de abril, uma conta da Telefônica referente a 19/3 a 18/4, cobrando a conta integral da linha e do Speedy, além do período em que já tinha feito a portabilidade! Não precisei pagar a conta por causa de um crédito que tinha, mas quero o ressarcimento total dos valores pelos serviços não prestados.

, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2010 | 00h00

IN SUK KIM / SÃO PAULO

A Telefônica informa que a situação da cliente foi regularizada, sem ônus financeiros para ela.

A leitora confirma: O problema foi solucionado.

SÓ NA PROMESSA

Plano não contratado

Liguei em 18/5 para a NET para reduzir meu pacote Combo (TV, Virtua e telefone) para um menor, sem TV, apenas com

internet e telefone. Resolvi aproveitar uma promoção que apareceu na tela da TV e, assim, meu preço caiu de R$ 220 para R$ 39,90. Ou assim eu pensei, pois, de lá para cá, o inferno desabou sobre minha cabeça. Recebi inúmeras ligações de funcionárias de telemarketing da NET instruídas a me dissuadir, mas sem nenhuma proposta coerente. Liguei no dia 21/5 para pedir que parassem com esses telefonemas e confirmar que eu não voltaria atrás da minha decisão. Mas fiquei sabendo que a funcionária que me atendeu em 18/5 mentiu e nada foi feito, pois esse pacote de

R$ 39,90 já não existe ou nunca existiu - não ficou claro. Já tentei até falar com a Ouvidoria da NET, mas não consegui. O serviço não funciona.

AGEU BARROS / SÃO PAULO

A NET esclarece que entrou em contato com o sr. Barros, no dia 26/5, prestando os esclarecimentos em relação aos procedimentos da empresa e encaminhando uma nova fatura por e-mail.

O leitor comenta: A NET fechou um contrato por R$ 39,90 e não o cumpriu. A empresa disse que o valor mínimo seria de

R$ 129,90. Depois da reclamação, cobrou R$ 79,90, aparentemente de forma permanente. Vamos ver se daqui a pouco não sobe o preço, alegando que era por "tempo limitado" ou algo assim.

DIA DE FEIRA

Falta de bom senso

Moro na Rua Realengo, Alto de Pinheiros, onde às quintas-feiras ocorre uma feira livre. Já é um incômodo o barulho de caminhões, Kombis e marteladas dadas pelos feirantes para montá-la desde as 4 horas. Como se isso não bastasse, uma parte da rua, que não tem feira, virou um estacionamento. Os moradores já reclamaram na CET, mas os agentes demoram tanto para chegar que os motoristas vão embora antes de eles chegarem. Reclamar não adianta, pois ainda te olham com cara feia e acham que estão no direito de estacionar o carro no meio da rua, só porque é dia de feira! Outros dão a desculpa de que "foi só um minutinho". Muitas vezes não conseguimos tirar o carro da garagem por causa de tantos carros parados em local errado! A feira fica entre duas praças e é paralela a uma rua onde há muito espaço para estacionar do modo correto. Daqui a pouco vão querer fazer a feira no sistema "drive-thru" para comprar sem sair dos carros! É um absurdo o desrespeito às leis de trânsito e ao próximo, além da falta de bom senso e cidadania! O pior é a CET não fazer nada!

THAIS SOUZA ARANHA SARNO

/ SÃO PAULO

A CET informa que vistoriou a Rua Realengo, em 27/5, e constatou os problemas relatados. Foram feitas autuações e remoções de veículos. A companhia acrescenta que foi programada fiscalização periódica para o local, visando a coibir os abusos e o desrespeito às regras de trânsito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.