Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Clima de comoção marca missa de 7º dia de Isabella em SP

Quase mil pessoas compareceram à igreja; segundo família da mãe da garota, nenhum parente do pai participou

Jones Rossi, do Jornal da Tarde,

04 de abril de 2008 | 21h32

Isabella estava no altar, na primeira fila e no pensamento das cerca de mil pessoas que compareceram nesta sexta-feira, 4, à missa de sétimo dia da menina, na Paróquia Nossa Senhora da Candelária, na Vila Maria, zona norte de São Paulo. Um amigo da família da mãe confeccionou cerca de 80 camisetas com a foto da garota, morta há uma semana, e a frase "Para sempre nossa estrelinha". Segundo a família Oliveira, ninguém da família do pai, que se encontra preso no 77º Distrito Policial (Santa Cecília), compareceu à cerimônia.   Veja também: Pai de Isabella tem nomes de suspeitos, diz advogado Pai e madrasta de Isabella se apresentam à polícia Entenda os argumentos da polícia sobre a prisão Especial - Mistério na morte de Isabella  Especial - Porque crimes assim chocam    Um grupo com cerca de 30 crianças, da escola de Isabella e da paróquia, estava sentado nos degraus do altar, com a camiseta. Outras 50 estavam nas primeiras fileiras de uma igreja lotada - que tem apenas 450 lugares. Amigos e parentes acompanhavam cada momento da cerimônia com atenção e em profundo silêncio.   A mãe, a bancária Ana Carolina Cunha de Oliveira, que completa 24 anos neste sábado, chegou às 18h20 e permaneceu impassível, dirigindo o olhar única e exclusivamente para o grupo de crianças. Recebeu pêsames de várias pessoas, trocou algumas palavras e mais nada. Tomou apenas um copo de água antes da cerimônia. Não falou com a imprensa nem procurou estender conversas.   Durante a missa, cantou junto com o coro infantil. O momento mais emocionante, durante uma canção, foi quando uma criança do grupo se aproximou sorrindo e abraçou Ana Carolina. Ela, por alguns momentos, acariciou a criança.   As pessoas respeitaram a dor da mãe. Não houve nenhuma manifestação pública de revolta. Até o padre Sebastião Oliveira preferiu não tocar no caso durante a homilia. Mas, durante as orações, destacou a dor do momento. "Conseguimos perceber a presença de Jesus quando alguém nos dá apoio e oferece um ombro para chorar."   Para o público, a família de Ana Carolina distribuiu a foto da filha com a mensagem: "O criador nos presenteou com a graça de cuidar de você por um curto espaço de tempo, tempo este de grande intensidade e infinito amor. Senhor, muito obrigado. Seja feita a Tua vontade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.