City Lapa quer estreitar ruas e criar ciclovia

Projeto de associação, aprovado pela CET, reduz velocidade de carros ao redor de praça

BÁRBARA FERREIRA SANTOS, O Estado de S.Paulo

24 Março 2013 | 02h07

A City Lapa, na zona oeste de São Paulo, poderá ver posto em prática um projeto de "moderadores de trânsito" para diminuir a velocidade dos veículos no entorno da Praça John Lennon, entre as Ruas Duarte da Costa e dos Aliados.

Criada pela Associação de Amigos e Moradores pela Preservação do Alto da Lapa (Assampalba), a proposta prevê a adoção de medidas de "traffic calming" - técnica de planejamento urbano comum na Europa que reorganiza o tráfego em benefício de ciclistas e pedestres.

A ideia é instalar faixas elevadas no asfalto, estreitar as ruas e colocar alertas no chão. "As pessoas usam essa rota para cortar o trânsito. Há duas escolas na região e já ocorreram acidentes", diz a presidente da Assampalba, Maria Laura Fogaça Zei, arquiteta e urbanista.

O projeto já foi aprovado pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e, como a área é tombada, aguarda decisão do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico (Conpresp). A segunda etapa será pedir uma ciclovia na praça.

Funil. José Carlos de Barros de Lima, diretor do Colégio Santo Ivo, que fica na frente da Praça John Lennon, administra a área verde do entorno há 46 anos. Ele afirma que não foi procurado pela associação e outros moradores não conhecem o projeto. Mas, em sua opinião, "os carros não vão conseguir entrar nas vias perpendiculares e as ruas em questão vão virar um funil". "A velocidade cai, mas uma fila de carros vai se formar."

Moradora da Rua dos Aliados, a empresária Claudia Hausner acredita que a medida possa tirar a tranquilidade de quem vive ali. "Não falta área verde na Lapa. Temos os Parques Villa-Lobos e Villas-Boas. Não há justificativa para fechar o canteiro."

O subprefeito da Lapa, Ricardo Airut Pradas, que trabalhou na CET e é arquiteto, afirma que detalhes do projeto ainda têm de ser definidos. "É preciso conversar com quem elaborou o conceito, porque tenho dúvida se o fechamento do canteiro vai ser uma saída para o trânsito." Além disso, para ele, as medidas de "traffic calming" não devem ter restrições.

A presidente da Assampalba diz que propôs um abaixo-assinado do projeto - com apoio de 70% do moradores, segundo ela. Já o Conpresp, antes de se manifestar, informou que deve fazer uma audiência pública.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.