Cinco perguntas para...

Mariana Magtaz

Denize Guedes, O Estado de S.Paulo

27 Julho 2011 | 00h00

GEMÓLOGA PELO GEMOLOGICAL INSTITUTE OF AMERICA E SÓCIA DA ARTE METAL

1. É verdade que a 1ª evidência de ouro no País foi descoberta em SP?

Sim. Em 1590, os bandeirantes acharam uma jazida perto do Pico do Jaraguá.

2. Qual a participação de SP no mercado de joias brasileiro hoje?

O Estado é o maior polo industrial do Brasil. Além disso, a capital abriga a maioria dos designers e detém o maior número de escolas e faculdades do País.

3. Quais são os principais expoentes da joalheria paulistana?

Sonia Pasetti se destaca em feiras internacionais com um trabalho em ouro, Camila Lovisaro e Marília Fontana têm peças em prata expostas em galerias americanas. Betina Terepins, nome já consolidado, vai às principais mostras de design do mundo.

4. Há uma tendência no mercado hoje?

A joalheria está se voltando para uma produção mais autoral e em menor escala. As pessoas querem peças exclusivas, com uma linguagem que exprima a personalidade delas.

5. Qual país é a referência atual do setor?

No fim do século 19, a moda era ditada pela França. Depois da 2.ª Guerra Mundial, pela Itália. Mas não dá mais para pensar nesses termos, o mundo está globalizado demais. Brasil, Índia e China têm se destacado. Em setembro, por exemplo, teremos uma grande exposição de joias brasileiras em Berlim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.