Cinco perguntas para...

Arnaldo Hossepian

Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

30 Março 2011 | 00h00

SECRETÁRIO ADJUNTO DE SEGURANÇA DE SÃO PAULO

1. No último balanço de criminalidade, a taxa de homicídio de SP só cresceu na região central. Por quê?

São Paulo está chegando a uma nova fase: abaixo de 10 homicídios por 100 mil habitantes. O policiamento foi reforçado na região central da capital. Ela é frequentada por milhões de pessoas, o que aumenta o risco de delitos.

2. Como está o projeto de esvaziar os pátios com carros apreendidos?

A Corregedoria Geral de Justiça deu prazo de 30 dias para os juízes se manifestarem pela manutenção ou não dos veículos. Vamos leiloar os que ainda rodem e descontaminar e vender como sucata os outros. Nossa primeira lista inclui 16 mil veículos.

3.Qual tem sido a principal ação para enfraquecer organizações criminosas?

A PM tem cumprido importante papel ao localizar e prender integrantes dessas organizações. Recentemente, identificamos a ação de quadrilhas que desviam, furtam ou roubam medicamentos de farmácias.

4.Há um cronograma para a reforma de delegacias no interior?

No Estado, 168 delegacias precisam de reforma. Os delegados vão indicar se é melhor reformar, adaptar, alugar novo imóvel.

5. E na capital? Há recursos para reformar todos os distritos em situação precária, inclusive os da capital.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.