Cinco perguntas para...

Sílvia Leblon, IDEALIZADORA DE PROTESTO CONTRA A PRISÃO DE ARTISTAS DE RUA

RODRIGO BURGARELLI, O Estado de S.Paulo

22 Dezembro 2010 | 00h00

1. O que motivou a manifestação de anteontem na Avenida Paulista, com a participação de mais de 300 pessoas?

Fazemos parte de um grupo de discussões online e alguém mostrou um vídeo de um músico sendo agredido na Paulista. Todo mundo ficou indignado com esse absurdo e resolvemos fazer a passeata.

2.A que você atribui a prisão?

Está havendo uma repressão por parte da polícia a artistas de rua na região desde que a Prefeitura começou com a Operação Delegada (convênios em que PMs fazem bicos oficiais para o município). Querem proibir os artistas que passam o chapéu para sobreviver, mas qual o problema disso? O mundo inteiro passa chapéu, ué.

3. Não é ilegal apresentar-se sem alvará?

Claro que não. Passar chapéu é quase um pedido de esmola. Qualquer país civilizado valoriza esse ato, pois é o que permite se ver arte de graça na rua.

4. A cidade fica mais chata sem os artistas de rua?

Fica sufocante do jeito que já está. Na Paulista você tem bonecos de Natal que custaram milhões, mas um ser humano não pode passar o chapéu para fazer arte.

5.A Prefeitura afirma que não há proibição alguma desde que não se vendam Cds...

Às vezes, a relação do governo com a gente é mentirosa. E temos a foto para provar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.