Cinco perguntas para...

Cinco perguntas para...

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2010 | 00h00

Renata Sant"Anna

AUTORA DO LIVRO "DE DOIS EM DOIS: UM PASSEIO PELAS BIENAIS"

1. A primeira Bienal aconteceu em 1951. Como foi o começo?

A inauguração foi no pavilhão do Masp, os próprios artistas que ajudaram a montar. Na época, era uma forma de trazer para perto das pessoas o que acontecia fora do Brasil, porque viajar para o exterior era bem mais difícil que hoje. Muitos artistas foram influenciados pelo que viram nas primeiras bienais.

2. Sempre foi um evento polêmico?

Começou com a curadoria de Sheila Lerner, que trouxe pinturas enormes para a "Bienal da Grande Tela", em 1985, e 75 obras de Marcel Duchamp, em 1987. É normal a mostra propor discussões não esperadas por público e crítica.

3. O público se acostuma ou reage melhor a cada Bienal?

Sempre há algo diferente até para quem já foi em três edições. Uma só tem instalação; outra é repleta de vídeos. É sempre um desafio ao aprendizado.

4. Você viu uma evolução nas Bienais?

Não diria evolução, mas mudanças. É importante que a mostra facilite o encontro com a arte contemporânea e não fique restrita a Monet ou Picasso.

5. São Paulo é a cidade ideal para receber as Bienais no Brasil?

Sim, porque recebe muita gente de fora interessada em arte, e olha que hoje são cerca de 150 Bienais no mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.