Cinco perguntas para...

Cinco perguntas para...

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2010 | 00h00

André Takahashi

Gestor de projetos da organização comunitária Nossa Barra Funda

1. A Barra Funda foi tema, ontem, de um seminário para incentivar empresários a investirem na região. Quais são os principais problemas do bairro?

Os mesmos do centro. O número de cortiços no bairro cresceu, assim como a população de rua. A cracolândia da Luz se expandiu para cá. Sem falar no lixo da rua e nos alagamentos, cujos projetos de prevenção não saem do papel.

2. A tentativa de transformar a Barra Funda em uma área mais residencial é eficaz?

Sim. Faltam pessoas para morar na Barra Funda - a população flutuante, que só vai para trabalhar, não enxerga o bairro como seu. Mas essa reurbanização não pode ser excludente, só para ricos e classe média. Tem lugar para todos.

3. O bairro precisa de mais áreas de lazer? A Barra Funda não é só o Memorial da América Latina. Temos muita arte de rua, parques, só falta cuidado. A Praça Nicolau Moraes de Barros não tem nem um banco para sentar.

4. De que forma empresas com sede no bairro ajudariam?

Com a adoção de praças vizinhas, revitalização de espaços públicos, inclusão social. A melhoria do bairro depende delas.

5. E quais são as promessas do poder público para a região?

Vamos cobrar a implementação de um Ecoponto para recolhimento de entulho, uma promessa da Prefeitura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.