Cinco perguntas para...

Cinco perguntas para...

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2010 | 00h00

Ricardo Auriemma

Presidente da Associação das Empresas de Táxi de Frota do Município de São Paulo

1. Por que a tarifa de táxi em São Paulo é uma das mais caras do País? O valor (R$ 3,50 a bandeirada e R$ 2,10 o km rodado) é estabelecido pela Prefeitura, respeitando diversas variáveis operacionais. O preço é justo. Os problemas são o trânsito intenso e as grandes distâncias percorridas. No Rio, por exemplo, a bandeirada é mais cara (R$ 4,30), mas tudo é mais perto.

2. O tempo parado no trânsito também influi no preço final?

Sim. A tarifa por hora parada é de R$ 28. A quantidade de semáforos e o engarrafamento são determinantes no valor da corrida e já estão incluídos automaticamente no taxímetro.

3.Alguns taxistas cobram pelo uso do porta-malas. É legítimo?

O adicional de bagagem está previsto em lei e corresponde ao valor da bandeira 1 (R$ 2,10). Só pode ser cobrado uma vez, independentemente do número de malas.

4.O GPS é obrigatório para os motoristas?

Não. Eles precisam ter um guia de ruas atualizado, mas vejo que, em um futuro próximo, esse guia será substituído pelo GPS.

5. A quem devemos reclamar quando o taxista é desonesto?

Ao Departamento de Transporte Público, da Secretaria Municipal dos Transportes, ou à empresa responsável pela frota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.