Pedro da Rocha/Divulgação
Pedro da Rocha/Divulgação

Cinco homens da Rota são detidos na Corregedoria da PM

Policiais participaram da ação que acabou com seis mortos na segunda-feira; três outros policiais foram presos em flagrante na terça

Camilla Haddad, Jornal da Tarde

31 de maio de 2012 | 11h28

Dois tenentes, um sargento e dois soldados das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) estão presos na sede da Corregedoria da Polícia Militar, na Luz, no centro, para averiguação. A informação foi confirmada ontem à noite pela assessoria da corporação. Os dois oficiais e três os praças participaram da ação da tropa que resultou na morte de seis pessoas, na noite de segunda-feira, na zona leste da capital. Eles irão cumprir prisão disciplinar por até cinco dias.

Até a tarde de anteontem, a Corregedoria da PM tinha divulgado apenas a prisão em flagrante de um soldado, um cabo e um sargento. Os três foram detidos por homicídio doloso (com intenção) e estão presos no Presídio Militar Romão Gomes, na zona norte.

Segundo explicou o comandante da Rota, Salvador Madia, a operação começou às 21h de segunda-feira depois que o Batalhão de Choque recebeu uma denúncia de que um grupo de criminosos estava reunido em um estacionamento da zona leste para planejar o resgate de um preso do Centro de Detenção Provisória do Belém.

Com a informação, 24 homens da Rota - em seis equipes- chegaram no local e, segundo Madia, foram recebidos a tiros. Seis homens morreram, três pessoas foram presas e pelo menos cinco delas fugiram.

Um dos homens mortos no suposto confronto com a Rota foi visto por uma moradora sendo agredido perto da Rodovia Ayrton Senna e sem seguida ouviu tiros. Ela ligou para o 190 da Polícia Militar e narrou a cena em tempo real para o operador, o que possibilitou a prisão de três policiais da Rota em flagrante.

Mais conteúdo sobre:
Rota

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.