Cinco curiosidades sobre o bairro da Saúde

Cinco curiosidades sobre o bairro da Saúde

Há 40 anos, bairro foi um dos primeiros a ter estação de metrô e se beneficiou do transporte para dar impulso ao seu desenvolvimento

O Estado de S. Paulo

18 Dezembro 2014 | 13h17

1.Santa padroeira deu nome ao bairro – a igreja Nossa Senhora da Saúde, cuja construção teve início no começo do século 20, é responsável pela primeira leva de moradores à região. Mas logo o nome da santa padroeira, tradicionalmente invocada pelos doentes, foi abreviado e os moradores passaram a se referir ao bairro apenas como Saúde, segundo registro de 1925. 

2.Bairro já se chamou Cruz das Almas – assim como a Vila Mariana, a região onde hoje está o bairro da Saúde se chamava Cruz das Almas. No século 18, as terras eram apenas um caminho de passagem para os tropeiros. O nome, reza a lenda, era uma homenagem a dois irmãos que haviam sido assassinados por ladrões no local. Ali foi colocada uma cruz e a tradição era de acender velas pela alma dos mortos . 

3.Saúde foi um dos primeiros bairros a receber metrô – Há 40 anos, o bairro da Saúde foi um dos primeiros a serem contemplados com uma estação da Linha 1-Azul, que liga Jabaquara a Santana. A chegada do metrô foi fundamental para o desenvolvimento da região, que hoje é servida por três estações: São Judas, Saúde e Praça da Árvore, além da Santa Cruz, que é bem próxima do bairro. 

4.Bairro abrigava um grande bosque no século 19 – a Prefeitura reservou uma grande área denominada Bosque da Saúde, frequentado nos fins de semana para passeios e piqueniques. No entanto, em 1930, as terras foram divididas e mais tarde loteadas e urbanizadas pela Companhia City. Quem procura hoje opção de lazer em área livre na Saúde acaba recorrendo ao Jardim Botânico ou ao Parque do Ibirapuera, relativamente próximos do bairro. 


5.Imigração japonesa – o bairro da Saúde é também um dos preferidos da colônia japonesa de São Paulo, ficando atrás somente da Liberdade e da Aclimação.

Mais conteúdo sobre:
bairrosspSaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.