Cidades do interior se unem e rodovia SP-79 vira avenida

Sorocaba, Campinas e os mais de dez municípios ao redor já se tornaram uma grande massa urbana com 2.205.310 habitantes

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

02 de maio de 2010 | 00h00

 

Já se pode ir de Sorocaba a Campinas sem sair de áreas urbanas. O processo de conurbação entre as duas cidades transformou a Rodovia Santos Dumont (SP-79) em uma grande avenida de 76 quilômetros. Bairros de Campinas se confundem com os de Indaiatuba que, por sua vez, se ligam aos de Salto. E áreas urbanas e industriais de Itu já encostam nas de Sorocaba, cidade que está "grudada" em Votorantim.

Juntas, essas cidades somam 2.205.310 habitantes - somente Campinas tem 1.064.669, segundo dados do IBGE. Urbanistas apontam a fuga de indústrias e serviços da Grande São Paulo, desde o final dos anos 1980, como a causa do adensamento em outras áreas do interior.

Campinas e a Baixada Santista foram declaradas por lei regiões metropolitanas. A maior cidade do interior está conurbada com Americana, Santa Bárbara D"Oeste e Nova Odessa, que, por sua vez, se liga a Hortolândia e Sumaré. Em direção a São Paulo, Jundiaí se junta com Várzea Paulista e Campo Limpo Paulista. Em outro eixo está a conurbação com Indaiatuba e Salto, seguindo até Votorantim.

Projeto. Um projeto de lei do deputado estadual Hamilton Pereira (PT) quer transformar Sorocaba em sede de uma nova região metropolitana, formada por 16 cidades. "A oficialização da região metropolitana de Sorocaba certamente trará benefícios a todos os municípios, pois exigirá um planejamento integrado e ações conjuntas", diz.

Sorocaba se emenda com Alumínio, Mairinque e São Roque, aproximando-se da Grande São Paulo. Para o deputado, com o reconhecimento de Sorocaba, as quatro regiões metropolitanas formariam a primeira macrometrópole da América do Sul.

Eixos rodoviários. A ocupação urbana é maior nos grandes eixos rodoviários, como os Sistemas Anhanguera-Bandeirantes, Dutra-Ayrton Senna e Castelo Branco-Raposo Tavares. Na Rodovia Santos Dumont, o fenômeno é estimulado pelo Aeroporto Internacional de Viracopos, que atraiu indústrias para a região.

Os distritos industriais de Indaiatuba, Salto, Itu e Sorocaba são cortados pela via. "Criou-se um grande eixo urbano-industrial e a ocupação se intensifica por causa da intensa movimentação das pessoas", diz o pesquisador Erasmo Rocha.

Cinturão. Rocha foi um dos defensores do cinturão verde criado pela prefeitura de Indaiatuba na tentativa de evitar a conurbação. Trata-se de um anel formado por chácaras e sítios que não podem ser loteados nem ter construções. A medida está no plano diretor, aprovado em 2001.

Algumas áreas, no entanto, já estavam ocupadas. Mesmo assim, a prefeitura garante que não há conurbação evidente, a não em um loteamento antigo, próximo ao Jardim Fernanda, de Campinas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.