Divulgação
Divulgação

Cidade terá arraial até no Minhocão

Além da festa no Elevado, clubes, bares e shoppings paulistanos repetirão - ou estrearão neste ano - suas celebrações juninas ou julinas

EDISON VEIGA , JULIANA DEODORO, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2012 | 03h04

Junho já está chegando ao fim, mas os tradicionais arraiais se estenderão até o mês que vem em São Paulo. Extensa, a programação da cidade atende os mais diversos gostos e perfis. Além das quermesses em igrejas e das tradicionais festas em clubes, os amantes de canjica, pé de moleque e quentão poderão dançar ao som da música caipira em celebrações inusitadas, como a balada do Villa Mix, no Itaim-Bibi, na zona sul. Mas a festa mais diferente deste ano deve ser a do Elevado Costa e Silva. Sim, o popular Minhocão, na região central de São Paulo, também terá de quadrilha a barraca do beijo, passando por uma fogueira digital.

A festa, que promete ironicamente também formar o maior túnel do mundo durante a quadrilha, foi pensada e organizada colaborativamente. Reunido pela rede social Facebook, um grupo deixou uma lista de sugestões aberta na internet para que todos sugerissem atividades e se oferecessem para ajudar na organização. Segundo Grasi Drumond, uma das organizadoras, a participação das pessoas foi tão intensa que surpreendeu. "Grupos de teatro se ofereceram para puxar a quadrilha, outros já disseram que vão fazer a barraca do beijo. Acho que o mais bacana será o piquenique. Como não teremos barracas, convidamos todos a levar comidinhas para dividirmos a toalha que estenderemos no Minhocão."

Até ontem, mais de 5 mil pessoas já haviam confirmado presença pela página da festa no Facebook. Grasi atribui o sucesso a uma demanda reprimida de eventos ao ar livre na cidade. "Muita gente parou de ir a festas juninas porque muitas delas são pagas. Estamos oferecendo uma nova opção", garante Grasi. / COLABOROU CAMILA BRUNELLI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.