Cidade Linda começa pela Ponte Estaiada, na zona sul

Cidade Linda começa pela Ponte Estaiada, na zona sul

A partir da madrugada do dia 2, construção, que está pichada, será limpa; empresários da região colaboraram com a ação

Paula Felix, O Estado de S.Paulo

31 Dezembro 2016 | 03h00

SÃO PAULO - A primeira ação do Cidade Linda, projeto de zeladoria do prefeito eleito João Doria (PSDB), será na Ponte Octavio Frias de Oliveira, a Ponte Estaiada, que liga a Marginal do Pinheiros à Avenida Jornalista Roberto Marinho, na zona sul da capital. A partir da madrugada do próximo dia 2, uma operação de limpeza será feita em toda a estrutura da construção, cujo mastro está pichado. A ação deve durar dez dias e será realizada das 23h às 7h para não interferir no trânsito da região.

Segundo a futura gestão municipal, empresários colaboraram para a ação com recursos e solicitando permissão para a realização do serviço.

O trabalho vai incluir a instalação de um sensor na porta da escadaria de acesso ao ponto mais alto da ponte – o mastro de 138 metros foi pichado em junho. Caso a área seja invadida, o equipamento vai acionar a Guarda Civil Metropolitana (GCM). Está prevista a instalação de câmeras no local.

A iluminação da ponte também será restaurada e estará pronta no dia 5, para poder ser acesa no dia seguinte.

Projeto. As ações do Cidade Linda foram apresentadas anteontem por Doria. Serão feitos mutirões de limpeza, totalizando sete até o início de março. Com exceção da Avenida Matteo Bei, na zona leste, os outros pontos estão localizados na região central da cidade.

Na segunda-feira, Doria e secretários farão a limpeza na Avenida 9 de Julho.

O prefeito eleito prometeu trocar 135 lixeiras por um modelo com maior capacidade. Doria disse que 1.291 agentes vão atuar na operação, que terá 24 ações, como reforma de calçadas, podas de árvores, recolhimento de entulho, pintura de muros, troca de lâmpadas e retirada de cartazes. O programa, segundo o tucano, deve ser custeado pelas empresas já contratadas pela Prefeitura para o serviço, que colocariam funcionários para trabalhar em turnos extras. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.