Divulgação/Prefeitura de Nipoã
Divulgação/Prefeitura de Nipoã

Cidade sem homicídios há 14 anos registra dois assassinatos em 2015

Violência assusta os 4.274 moradores de Nipoã, na região de São José do Rio Preto, norte do Estado de São Paulo

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

09 Julho 2015 | 13h05

SOROCABA - Após 14 anos de dias pacatos, a violência está assustando os 4.274 moradores de Nipoã, na região de São José do Rio Preto, norte do Estado de São Paulo. A cidade, que jamais havia registrado crimes de morte, teve uma sequência de dois homicídios no primeiro semestre deste ano. Com os registros, Nipoã saiu da lista de cidades paulistas com homicídio zero desde 2001, quando a estatística da Secretaria da Segurança Pública do Estado começou a ser feita.

Os crimes ocorreram, respectivamente, em março e maio deste ano e tiveram motivos banais. No primeiro, dois homens se desentenderam durante um churrasco e um deles matou o desafeto com golpes de faca. No outro, a briga começou no interior de um bar e terminou na rua, com um dos brigões matando o outro. Também nesse caso, a arma usada pelo homicida foi uma faca.

O assessor de gabinete da prefeitura, Renato Teixeira, conta que a cidade já não é a mesma depois da entrada de drogas como o crack. "Costumes antigos, como deixar o carro na rua com a chave no contato e dormir com a janela aberta, estão sendo abandonados", disse. De janeiro a maio deste ano, o município registrou 7 lesões corporais dolosas, um estupro, dois furtos de veículos e 21 furtos simples. "O que mais atendemos são ocorrências corriqueiras, como brigas de vizinhos e furto de galinhas", diz o escrivão Paulo Rogério Pierini. A cidade está há dois anos sem delegado titular.

Em 2014, foram registrados 4.294 homicídios dolosos no Estado, número maior que a população de Nipoã. Restam agora 21 cidades com homicídio zero entre os 645 municípios paulistas - em 2012, eram 37. São cidades pequenas, geralmente distantes dos grandes centros. Continuam fora do mapa da violência Águas de São Pedro, Anhumas, Bento de Abreu, Borebi, Caiabu, Cruzália, Dolcinópolis, Fernão, Lourdes, Marapoama, Nova Guataporanga, Pracinha, Presidente Alves, Ribeirão dos Índios, Santa Salete, São João do Pau D'Alho, Sebastianópolis do Sul, Trabiju, Turiúba, União Paulista e Zacarias.

Mais conteúdo sobre:
Nipoã São Paulo violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.