Magali A. Maschi/ ELAT - CCST/INPE
Magali A. Maschi/ ELAT - CCST/INPE

Cidade de São Paulo registra 130 raios em uma hora na manhã desta sexta-feira

Dados se referem ao período de 6h a 7h da manhã desta sexta-feira, 9; chegada de frente fria após forte onda de calor é o principal motivo, explica Elat/Inpe

Marina Aragão, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2020 | 17h04

Além da forte chuva que atingiu a cidade de São Paulo, a capital registrou mais de dois raios por minuto entre 6h e 7h da manhã desta sexta-feira, 9. O Grupo de Eletricidade Atmosférica (Elat), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), apontou 130 descargas elétricas que tocaram o solo paulistano neste período, um número acima dos que costumam ser registrados nos dias de primavera.

A chegada de uma frente fria após a forte onda de calor é a principal explicação, de acordo com o coordenador do grupo, Osmar Pinto. "Esse sistema frontal (frente fria) conseguiu atingir São Paulo quando a cidade estava com temperaturas muito altas. Estas temperaturas fazem com que o ar fique muito leve e seja jogado para cima com muita força quando a frente fria chega", explica Pinto. Esse "choque" intensifica as tempestades e a quantidade de raios que se formam.

"Nós estávamos com um bloqueio de ar seco e quente aqui na região que estava colocando aquelas temperaturas altíssimas, o que estava impedindo que os sistemas frontais chegassem do Sul do País. Com a chegada da frente fria, aconteceu essa tempestade muito forte", diz.

A maior incidência de raios costuma se concentrar no verão - dado o período de chuvas e a predominância de altas temperaturas e umidade do ar - e durante o período da tarde ou da noite, diferente desta sexta, explicou o Elat/Inpe. 

A capital paulista atingiu a segunda e a terceira maior temperatura já registrada no Mirante de Santana, zona norte: 37,4°C no último dia 2 e 37,3°C na quarta-feira, 7. A temperatura de 43,5°C foi registrada em Lins, também na última quarta, e é agora o recorde absoluto de calor no Estado de São Paulo, superando a marca de 43°C de Iguape, em fevereiro de 1933.

Fim de semana

Durante o fim de semana, as áreas de instabilidade enfraquecem sobre o Estado e a maioria das regiões não terá chuva forte. Na manhã de sábado ainda chove no litoral norte, na Mantiqueira e nas áreas do Vale do Paraíba. A chuva ocorre com fraca a moderada intensidade.

Na capital, o cenário de sexta se repete. Céu encoberto, períodos com garoa e pequena amplitude térmica. O Centro de Gerenciamentos de Emergência (CGE) da prefeitura informou que a mínima será de 16°C e máxima, de 22°C. Na Grande São Paulo, na Baixada Santista, no litoral sul e no Vale do Ribeira, o dia começa encoberto e até com garoa, mas aos poucos o sol aparece, entre muitas nuvens, mas não chove.

Nas demais regiões do interior de São Paulo, o sábado é com sol e algumas nuvens, mas sem chuva. A presença de ventos frios de origem polar vão inibir o aquecimento do ar.

Já o domingo será com predomínio de sol no estado. Durante a tarde podem ocorrer pancadas de chuva isoladas nas áreas do Vale do Paraíba e litoral, com risco de temporais isolados nas regiões que fazem divisa com Minas Gerais e o Rio De Janeiro. Na Grande São Paulo, o domingo tem períodos com sol, muitas nuvens e temperatura amena.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.